“Cumpre-me suportar com a maior resignação os decretos dos fados, sabendo inelutável a força do Destino. Contudo, não posso calar nem deixar de calar minha desdita. Por ter feito uma dádiva aos mortais, estou jungido a esta fatalidade” (Prometeu Acorrentado – Ésquilo) A força do Prometeu Acorrentado permanece intacta, os […]

“Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas Da força da grana que ergue e destrói coisas belas Da feia fumaça que sobe, apagando as estrelas” (Sampa – Caetano Veloso/Elvira Perpinya Brull) Por uma razão incerta, o centro das cidades, as mais antigas principalmente, sempre me encantaram, até do medo […]

“Miséria é miséria em qualquer canto Fracos, doentes, aflitos, carentes Riquezas são diferentes O Sol não causa mais espanto” (Miséria – Titãs) Vim morar em São Paulo em 1989, na época, uma das coisas que fazia nos fins de semana era andar pelo centro da cidade. Conhecer as pessoas e […]

“Ruínas de igrejas, seitas sem nome Paixão, insônia, doença Liberdade vigiada No beco escuro explode a violência No meio da madrugada Com amor, ódio, urgência Ou como se não fosse nada Mas nada perturba o meu sono pesado” (O Beco – Os Paralamas do Sucesso) Nem saímos de uma tragédia, […]

6

Impressionado com a explosão da miséria neste final de ano. Nesses 27 anos que moro na cidade São Paulo, situação parecida somente duas vezes: Em 1990/1992 com o famigerado governo Collor, em que o desemprego chegou a um em cada cinco pessoas na grande São Paulo. Depois, entre 98 e […]

“Quando você olha muito tempo para um abismo, o abismo olha para você” (Friedrich Nietzsche) Estes últimos anos em que escrevi a série sobre a Crise 2.0, em muito me ajudou a compreender que alguns fenômenos tidos como do “passado”, voltam sempre para nos assombrar. Assim é a questão do neofascismo, que […]

2

    A queda da UE, pelo menos daquilo que se pronunciou ao mundo como projeto de uma Europa unida e única nos parece evidente. Analisamos a questão da UE longamente durante a série sobre a Crise 2.0, que foi transformado no livro  Crise 2.0 – A Taxa de Lucro Reloaded, naquela […]

1

    A série sobre a Crise 2.0 teve como dois pilares centrais a Alemanha e a Espanha, os extremos na Europa, na Zona do Euro, pois ambas são, ou eram, economias de peso. A Grécia, Portugal, Irlanda e, menos ainda, Chipre, não têm PIB significativos que pudessem causar estragos tão grandes […]

  É sempre válido repetir algumas questões que balizam estes escritos de Economia Política, em particular, aqui na série sobre a Crise 2.0, a primeira delas e principal é o centro da crise, mas precisamente a reafirmação de que ela acontece no ápice do Capital, jamais em baixa, é quando todas as condições […]

  Uma semana sem escrever aqui na série sobre a Crise 2.0, desde que publicamos os três últimos artigos, pois eles deram a tônica dos passos que se seguem na Europa, o caminho do abismo “consciente” de Espanha, depois do sacrifício de Portugal, Irlanda e Grécia. A sequência dos posts: Crise 2.0: 30 […]

  A desoladora situação espanhola já amplamente discutida aqui série sobre a Crise 2.0,  no final de julho reuni num post o conjunto de análises sobre a Espanha – Crise 2.0: Espanha em Chamas – um Roteiro, mas não se completa o quadro, apenas dar uma visão geral da questão. As idas e vindas, […]

  A recessão é o efeito imediato de uma crise de superprodução de Capital, como sempre tratamos aqui na série sobre a Crise 2.0, isto se dá pela necessidade de queima de forças produtivas, a expulsão do trabalhadores do emprego, a queda dos preços, o fechamento de fábricas, comércio. A recomposição do Capital, […]