A Sociedade da Felicidade a Qualquer Preço


Mantenha o sorriso, a todo custo.

“O tempo que terei para agradar aos mortos, é bem mais longo do que consagrado aos vivos…hei de jazer eternamente!” (Sófocles)

Estranhamente condenamos o Kapital pela apropriação de desejos e sentidos, a imposição de certo comportamento, padrão que bem nos lembrou o Coringa de Joaquim Phoenix: Sorria.

Ora, é apenas a sua própria reprodução (do Kapital) que está em jogo, o sorrir, mesmo na dor, é o sintoma.

Contraditoriamente, mesmo os mais descolados e aqueles que lutam contra o Sistema, não toleram a tristeza, a melancolia, a fraqueza. Incomodam-se ao ver alguém para “baixo”, muitas vezes não fazem nenhum gesto no sentido de acolher, ao contrário, julgam as mazelas alheia, e provocam afastamento de gente com  “vibe ruim”.

É preciso sorrir, fingir que está tudo bem, qualquer coisa fora disso, é DERROTA, exclusão.

A roda da fortuna gira para quem sorrir, é quase um mantra a busca pela “sorte” e pela “felicidade”, na maioria das vezes é vendida por animados coaches (quase sempre duros) que ensinam a arte de ser “ricos”. Quando não por gurus tibetanos, com frases que nos faz lembrar dos velhos sofistas gregos criticados por Aristófanes.

Alguns gurus sofisticam e celebram a pobreza, uma aceitação de que a sociedade é assim mesma, seja feliz com as migalhas, nada de revolta ou rebelião, o padre ou o pastor lhe negarão o pão da paz de espírito.

Seja feliz e alcance status social, é a grande receita de uma sociedade infeliz, adoecida em que o consumo é um remédio para males, uma fuga garantida da realidade. A frustração é uma nota recorrente que mais compras, penduricalhos não dão conta de aplacar.

A dor é perene principalmente quando os remédios aplicados são apenas placebos, entope-se com eles e eles não trazem consolo, ou apenas momentâneo. Abandonou-se as boas e velhas fórmulas da medicina de Asclépio que recomendava pensamentos puros, ou “limpar sua mente”, como forma de “cura”, pois, hoje, há drogas para tudo.

O ser humano é uma mera estatística, não é visto como único dentro de um todo, ao contrário ele é visto como todo e apenas mais um.

As sofisticadas subjetividades, de um sertanejo matuto, ou de um geek de Harajuku, são sacrificadas num padrão, que é vinculado apenas ao consumo, como este ou aquele pode consumir e girar a roda.

Nem sempre é o sorriso que denota a felicidade, pode ser apenas uma mentira sorridente, feito numa propaganda de um banco, de um celular, uma marca de roupa. E no íntimo só dor e tristeza.

É isso, por enquanto é diagnóstico, azedume, quem sabe outro dia, não vira sorriso e leveza?

“A felicidade corre sem parar
Bela é uma cidade velha”
(Frenesi – Fagner)

 Save as PDF

Deixe uma resposta

Related Post

Jardim SecretoJardim Secreto

Share this on WhatsAppChega um momento da vida que você vira um grande moedor de memórias, principalmente as ruins, tudo parece que vira uma lembrança, uma nota de rodapé, para

%d blogueiros gostam disto: