Animais Noturnos


Uma reflexão sobre a psiquê humana, seu lado animal.

“Nobody writes about anything but themselves” (Animais Noturnos)

O filme, Animais Noturnos, é uma porrada, um soco no estômago, todo estranhamento o torna imenso, a reflexão é doída, sem se saber como iniciar a falar sobre o que se viu. A primeira cena é uma performance de uma exposição de artes, que traduz a estética humana e sua decadência, tudo vira carne, e dinheiro, negócios, nenhum sentimento maior do que devorar a vítima.

A cidade é Los Angeles, um casal falido, tanto financeiramente, quanto emocionalmente, vivem o impasse, quem sobreviverá, o passado começa a cobrar uma conta alta demais, o presente é dor, o futuro, não existe..

O tema é fraqueza, as humanas e como elas, quando expostas, parecem tornar as pessoas mais frágeis dos que são, os interlocutores se afastam, fogem, ou apenas aproveitam e devoram suas vítimas, diante da fragilidade, os predadores encontram sua melhor carne. A noite é o pior momento, tanto dos fracos quanto dos que os devoram, apenas um, na noite deve sobreviver.

A redenção pode vir da arte, escrever, por exemplo, é um exercício de coragem e, ao mesmo tempo, de proteção contra tudo aquilo que nos assusta, nos oprime. Enfrentar os medos, no caso, a fraqueza.

Texas, Nova York e Califórnia. Dallas é a dureza, a força primeva, animal, que não admite sensibilidade e onde os fracos não têm vez. A sofisticada Nova York, os sentimentos se diluem, mas as fragilidade é mitigada ou devorada. Los Angeles é a intermediação, a compreensão da fragilidade, os dramas humanos, ganham dimensão literária, uma aceitação de que a fragilidade é parte da coragem humana.

Susan (Amy Adams) é uma artista que não teve coragem suficiente para exercer sua força criativa, enfrenta o dilema de amar e viver com o sensível Edward (Jake Gyllenhaal), a fragilidade dele não lhe dá segurança, o senso de sobrevivência (ambição) a leva ao amante Walker (Armie Hammer), o predador, ali, a princípio, devorou uma vítima, Edward, para depois, lentamente, ir se apropriando da alma de Susan.

É uma cadeia alimentar, uma dura realidade que se enfrenta dia a dia no mundo, em todos os momentos, alguns em especial, como o tempo presente. Tom Ford faz um grande filme, um diagnóstico sobre a doença humana, apresentando-nos como animais, na nossa natureza mais funda, que luta pela sobrevivência é o nosso maior guia, maior que amor, paixão, vida em comunidade.

A psiquê humana decifrada pelo seu lado mais sombrio, seu espírito animal.

Imperdível, no Netflix.

 Save as PDF

Deixe uma resposta

Related Post

ChernobylChernobyl

Share this on WhatsAppAcabei de assistir ao perturbador seriado Chernobyl, da HBO, dirigida por Johan Renck, com um excelente elenco, reconstituição de uma época perfeita, roteiro extremamente bem elaborado, tema dos

%d blogueiros gostam disto: