Os Crimes da Austeridade

2
A Austeridade para o Povo (Charge do http://blogdokayser.blogspot.com.br/)

 

A economia política mundial tem sido pródiga em enviar sinais de como não se deve fazer, mas a lógica das políticas econômicas atuais, teimam em não seguir as dicas, ao contrário, buscam o pior, pois, só enxergam as receitas passadas, mesmo que estas tenham sido fracassadas. Aqui, na série sobre a crise, que denomino de  Crise 2.0, sempre denunciei, com números e evidências, que seguir o caminho de mais Austeridades só iria piorar a situação, principalmente, dos países mais pobres, sem economias capazes de reverter o quadro.

No ano passado fiz um resumo do significado das Políticas de Austeridade, no post Crise 2.0: Por Um Mundo Sem Austeridade, tem uns 15 links de artigos apresentando passo a passo como se reproduz este desastre político e econômico, quem paga a dolorosa conta, como se chega ao caos e ainda se culpa os outros pela desgraça generalizada. Ali, no final, afirmo e pergunto:  A denúncia da Austeridade, deveria ser acompanhada de um grande movimento alternativo ao modelo, que em parte se revelou nos indignados, no occupys, mas sem levar à cabo, que agora se organiza, como na Greve Geral da Zona do Euro, o #14N ( Crise 2.0: #14N e a Luta de Classes na UE). Mas continuamos a perguntar, pode se reverter o atual quadro?

Depois dos números ruins de França e Alemanha, que mostrei no post Novos Números, Mais Crise, Qual a Saída? , agora,  os dados da Espanha, Grécia, Portugal e tantos outros que são monitorados pela Troika,  demonstram o desastre, o crime que é a Austeridade.  Portugal com seus 10 milhões de habitantes convivendo com 1 milhão de desempregados, quase 17% da sua mão de obra, todos os planos frustrados, aquele que era apontado como um dos “novos tigres” da economia, hoje vive à míngua, queimando o que sobrou do seu patrimônio público, numa onde de privatizações que vai jogar ainda mais para baixo a economia do país. Ano passado o retrocesso geral foi do PIB, mesmo sob intensa Austeridade a “contração homóloga do seu PIB de 3,8% no quarto trimestre, 3,5% no terceiro trimestre, 3,1% no segundo trimestre e 2,5% no primeiro trimestre do ano”. (RTP Notícias 14.02.2013)

Os números gregos são mais impressionantes, em 5 anos o país perdeu 20% do PIB, um desastres de custos humanos inimagináveis. Apenas ano passado a economia retrocedeu acima de 6%, tendo o desempenho assim distribuídos nos trimestres: 6% no Quarto trimestre,  6,7% no terceiro trimestre, de 6,4% no segundo trimestre e novamente de 6,7% no primeiro trimestre do ano. O número de desempregados bate nos 27%, e entre os jovens chegou aos 63%. Cerca de 1,350 milhões de gregos desempregados, de uma população de 11 milhões. Uma tragédia, os números de AIDS e DST explodiram em 1400% apenas nos últimos dois anos. Fome, sem tetos e todos os males associados.

A Espanha, que ainda não se rendeu completamente, vive uma situação explosiva. Em cinco anos a dívida pública explodiu saiu de 376 bilhões Euros em 2007 para 882 bilhões Euros em dezembro de 2012, a relação PIB x Dívida que era de 36,7% saltou para 84%, neste período. Apenas em 2012, o ano da “Austeridade” de Rajoy, a dívida aumentou incríveis 146 bilhões de Euros, ou 20% a mais. Num ano em que as despesas de Saúde e Educação sofreu um corte de 38 bilhões de Euros, o Estado assumiu as obrigações privadas, como as dívidas dos bancos falidos, fazendo explodir a dívida pública. O gráfico abaixo do El País representa a evolução da dívida Espanhola:

Os detalhes escabrosos destes número você pode ler no link do El País de ontem sobre a evolução Dívida Pública da Espanha . Muito além dos números, está a vida da pessoas, ou a tragédia do empobrecimento generalizado, mais de 400 mil casas e apartamentos foram retomados pelos bancos, a grande especulação imobiliária que tinha feito da Espanha um canteiros de obras, hoje é a imagem do desastre. Cinco milhões de desempregados, numa população de 45 milhões de pessoas, ou  mais de 25% da população apta ao trabalho, entre os jovens mais de 50% de desempregados. Uma geração perdida, mais de 1 milhão de espanhóis deixou o país nos últimos dois anos.

Os crimes da Austeridade vão perdurar por quanto tempo? Quando haverá reação? Pode haver um mundo diferente? São perguntas que faço desde quando comecei a escrever esta série, cada dia, com menos respostas. Que mundo difícil!!!!

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

2 thoughts on “Os Crimes da Austeridade

Deixe uma resposta

Next Post

A Odiosa Segunda-Feira

seg fev 18 , 2013
Share this on WhatsApp       “Monday has come around again I’m in the same old place With the same old faces always watching me Who knows how long I’ll have to stay Could be a hundred years Of sweat and tears At the rate that I get paid […]
%d blogueiros gostam disto: