A Tragédia dos 100.000 Mortos e “Vamos Tocar a Vida”.

As mortes se avolumam e se chega aos 100 mil, sem nenhuma resistência, o silêncio conivente.

“Vamos tocar a vida” (Jair BolsoNERO, o #Genocida)

Na verdade deveria ser, “vamos tocar a morte” (para debaixo do tapete), pois a vida tá difícil, apenas o auxílio Emergencial, criado e aprovado pela oposição, sustenta esse governo genocida, com 45% de aprovação. Entre piadas e largos sorrisos, BolsoNERO, diz que “fez tudo contra a doença” e pede ao Brasil: “vamos tocar a vida”.

Nunca antes na história tivemos um presidente tão insensível diante de uma Tragédia Humana, a Pandemia do COVID-19 não para de crescer e matar no Brasil.

Praticamente 3 milhões de casos e quase 100 mil mortos, os números tratados como algo corriqueiro, normal, a “banalização do mal”.

No meio de Pandemia cruel, o Brasil segue sem ministro da saúde há 3 meses, formou-se um gabinete com 12 milicos, nenhum um deles é médico, ao mesmo tempo que constrangem o Brasil e o mundo com as soluções do “masterchef” da morte, o presidente, com suas receitas de cloroquina, ivermectina, chá de picão e agora Ozônio no ânus.

Os dados da evolução diária demonstram o fracasso ou a falta de ação do governo BolsoNERO, o culpado pela tragédia:

Dados de 06 de agosto de 2020

A POLÍTICA

O país de sentimentos confusos, paralisado, sem reação que parece refletir o presidente fanfarrão, que quase mandou um “cabo e um soldado” para fechar o STF.

Rodrigo Maia e Alcolumbre, continuam a aprovar leis do abutre Paulo Guedes, que tornarão a vida da população um suplício, justificando o ultraliberalismo de se abrir mão de qualquer direito social, trabalhista.

É preciso lembrar como o Brasil entrou em modo autodestruição desde as famigeradas jornadas de junho de 2013, o “não vai ter copa”, o überpoder do judiciário, a lava-jato, a mídia do escândalo pronto,  essa soma de fatores deu um golpe em Dilma e pariu BolsoNERO, a melhor tradução desse tempo canalha.

Um político medíocre, anti-humano, com uma família enrolada com laço com as milícias, incensado como limpo, sem corrupção que o maculasse, as fakenews usada de forma ampla, com a conivência da grande mídia, fez de um néscio, presidente. O pior de todos os candidatos.

Por outro lado, a resistência é limitada, as torcidas organizadas, os movimentos da periferia que mais sofrem a pandemia, o desemprego e violência policial, de mãos livres inspirada no presidente e em governadores que dão o aval para o genocídio.

A oposição por mais que se esforce no congresso, nas denúncias, com o cenário de pandemia se limita à institucionalidade. Mesmo os grupos mais à esquerda começam a jogar seus esforços, mais uma vez, para o calendário eleitoral, desunida, com risco de uma derrota pior que a de 2018.

O ano de 2020, aquele que não existiu, ainda pode ser o ano da inflexão, da mudança de postura, é o que resta, ter esperança de resistência, de lutar pelos direitos humanos, os direitos fundamentais, para impedir o massacre e a barbárie.

Ainda dará tempo?

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

Rede de Ódio - A (ausência de) Ética no Mundo Digital

qua ago 12 , 2020
Share this on WhatsApp “Nobres, perdoai-me; mas preferiria ter de pensar de novo estas feridas a ouvir contar como cheguei a obtê-las” (Coriolano – William Shakespeare) O excelente filme polonês, Rede de Ódio, do diretor Jan Komasa, em exibição no Netflix, explica muito bem o funcionamento das redes sociais, da […]
%d blogueiros gostam disto: