Fumaça Preta – Ainda sem Papa

 

A fumaça preta, no primeiro dia de conclave . Gregorio Borgia/AP

 

A fumaça preta indicada hoje, no primeiro dia do Conclave era esperada, como disse ontem no post que Amanhã, por esta hora, certamente o primeiro escrutínio já se deu, em geral o primeiro dia é um teste de teses, pelo menos era, agora é uma afirmação de forças. Esta pequena série, dentro do Crise 2.o, para tentar entender o que se passa na Igreja Católica, os post abaixo, são contribuições ao debate:

  1. A Renúncia do Papa Bento XVI
  2. As Cinzas da Quarta e a Sucessão do Papa
  3.  Algumas das Razões da Renúncia do Papa
  4.  Sede Vacante – Bastidores de Guerra 
  5. Itália e Vaticano, Quais os Signos Eleitorais?
  6. Vatileaks, A Ameaça ao Conclave
  7. A Fumaça da Chaminé do Vaticano

 

Como tenho dito aqui, o site EuroNews, faz excelente cobertura do conclave, uma das minhas fontes de consulta, que compartilho aqui. Na edição de ontem a noite, traz uma entrevista com um jornalista italiano, Giacomo Galeazzi, jornalista do La Stampa, de Turim, e autor de um blogue sobre os assuntos da Santa Sé. Muito interessante, sobre as correntes e as ideias em disputa no atual conclave. Leiamos alguns trechos, em que localiza o embate:

euronews: Quais são os cardeais e as correntes que podem determinar as escolhas, a direção que irá tomar o conclave?

Giacomo Galeazzi: “A atenção das congregações está a concentrar-se em torno de dois nomes: o do arcebispo de Milão, Scola, e o do arcebispo de São Paulo, no Brasil, Scherer, também comissário para o banco do Vaticano. Em torno destes nomes, poderemos ter nas primeiras votações uma espécie de concentração entre membros da Cúria, o governo do Vaticano, e cardeais fora da Cúria, que nas congregações gerais foram muito críticos em relação à gestão do escândalo ‘vatileaks’ “.

euronews: Há favoritos para o conclave?

Giacomo Galeazzi: “Neste momento há uma tendência para eleger o primeiro Papa não-europeu da história. O ‘vatileaks’ e os escândalos financeiros do Vaticano atingiram em especial a Cúria e os cardeais italianos. Isso fez perder força a ideia do regresso a um Papa italiano, depois de dois pontificados de estrangeiros. Assim, de momento, o candidato mais forte, que tem o apoio do secretário de Estado Bertone, parece ser o cardeal brasileiro Scherer, que une a atividade pastoral em São Paulo, com a de homem capaz de gerir, já que é membro da comissão de vigilância do banco do Vaticano”.

( A entrevista inteira aqui “Cenários para o conclave”)

O primeiro teste, da votação de hoje serve para afunilar as candidaturas, se elas se derem em torno dos dois apontados por quase toda mídia, é provável que amanhã, ou no máximo na quinta-feira saia um novo papa. Porém, se as duas candidaturas gerarem impasse, depois do terceiro, começa uma nova busca de nome que possa aglutinar um outro projeto, sem que nenhum dos dois favoritos continuem na disputa. O cronograma é tenso, se aproxima a maior data dos católicos, a semana santa, a necessidade da definição urgente pesará neste caminho.

A possibilidade de que se resolva a questão, amanhã, entre os dois papáveis mais conhecidos ( Scherer e Scola) é grande, as forças que os defendem não são tão antagônicas no fundamental. O brasileiro mais conservador, com a vantagem de não ser formalmente de nenhuma tendência, enquanto Scola, de mais diálogo, porém com vínculos com uma corrente interna da igreja. Ambos, não fariam, a princípio, grandes mudanças, porém expressam uma divergência de caráter mais  político-administrativo do que de dogmas.

O jornal El País assim resume os candidatos, além dos dois acima: O italiano Angelo Scola , o canadense Marc Ouellet , brasileiro Odilo Scherer , o austríaco Christoph Schönborn e os americanos Timothy Dolan e Sean O’Malley , são alguns favoritos. São todos os conservadores e os seus esforços serão destinadas a prevenir enfraquecimento fé do que para promover reformas sociais.  Vão buscar a maioria nestes dois dias, ou darão lugar a um terceiro, mas esta é uma tese mais complicada, não há nomes que sirvam como ponte entre as teses. O arenoso terreno do terceiro dia, será um teste claro de mudança, a pressão e a tensão será enorme, nesta noite e no segundo dia.

Acompanhemos!!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: