Cantiga de Amigo

 

 

O blog virou espaço especial de desabafo e desafogo, além de ser lugar ideal para exercer uma certa atividade intelectual, que me ajuda a manter sanidade, espírito vivo, sendo muito apropriado para contar um pouco das tantas histórias que cada um de nós viveu/vive. O desafio de escrever um post por dia, às vezes até mais de um, não é fácil, pois, além do meu trabalho, nem sempre a inspiração vem, ou quando vem não tenho como passar para cá.

 

Certo também que nas últimas duas semanas, por razões óbvias, os posts ganharam um caráter íntimo, pequenas ou grandes dores, tenho reportado aqui, além de vivas lembranças, quase um ajuste de contas e homenagens a pessoas tão queridas como meu avô, meus pais e minhas filhas. Para quem não leu, os links abaixo revivem estes momentos:

 

Alternar estas confissões com assuntos mais gerais que tenho trabalhado no blog, também é uma forma de quebrar um pouco o clima dos temas mais pesados, serve como “refresco” para meu cérebro, que vive um momento de intensa atividade combinada com o Caos generalizado da vida. Este equilíbrio complicado vai me impulsionando para frente, compartilhar com os amigos minhas dores no fundo alivia em muito, nem que seja momentaneamente.

 

Um forma de homenagear aos que me leem é oferecendo a poesia do sertão do grande Elomar

Cantiga de Amigo

Imagem de Amostra do You Tube

 

0 thoughts on “Cantiga de Amigo”

  1. Vem minha amiga e conta
    Uma coisa linda pra mim
    Conta os fios dos teus cabelos
    Sonhos e anelos
    Conta-me se o amor não tem fim
    ___________________________________

    E preciso contar amigo meu,
    se quem tem uma vida bela é você,
    Se contar, serão só tristezas,
    Do que fiz, ou não fiz por merecer…
    Cris

  2. Eu sou tua admiradora, nobre escritor e companheiro de ideais.

    Eu sou fã, apaixonada loucamente por Elomar Figueira de Mello,
    ele e sua troupe de amigos cantadores.

    É um presente dos deuses iniciar o dia assim, na Casa dos C arneiros.

    um grande abraço ficando

    Carmen Regina

  3. A música tem um poder enorme sobre mim, é de um jeito que quando a barra pesa eu não consigo ouvir nada, qualquer música vira senha pra eu desabar. A leitura mais amena me ajuda mais.

    Gosto muito do Elomar, outro dia comentava que nunca mais havia ouvido falar nele…

    É meu amigo, vou me socorrer de um amigo dele pra lhe dizer:
    “Essas feridas da vida, amarga vida […] E eu não quero ver você
    Com esse gosto de sabão…na boca”.

    :)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: