Crise 2.0: Europa – uma nova fase de Incertezas

 

 

 

“tudo em medonho caos rui e se precipita,

trovejando e silvando até o fundo abismo

das voragens que atulha o horrendo cataclismo.”

( Fausto – Goethe)

 

 

À beira do Caos

 

Agora não se trata mais de fazer jogo de cena, a situação da EU veio definitivamente à nu,  depois de um mês de intensas negociações e promessas, os sócios majoritários resolveram jogar ao mar os pesos “mortos”, sem dor nem piedade. Já não se trata mais de salvação das economias periféricas, agora é salve-se quem puder.

Depois de duas cúpulas amplas, algo inédito, na última quarta-feira, dia 26 de outubro, o que parecia um salvamento para Grécia, perdão de 50% da dívida, olhando mais de perto, foi apenas a desculpa para que os bancos credores recebam os valores “perdoados” através de o Fundo de Estabilização Europeu.

Nada mais mascara a situação, vou repisar alguns grandes número para que fixemos o tamanho real da crise 2.0 no lado Europeu:

1)   Houve um encolhimento de 2 Trilhões de Euros na Economia da Zona do Euro, algo como um Brasil e meio;

2)   A Economia cresceu próxima de Zero em 2008, encolheu 4,3% em 2009, cresceu 2% em 2010, e perspectiva de crescimento inferior a 1% em 2011;

3)   1 em cada 2 jovens espanhóis está desempregado;

4)   Em 2007 a Espanha tinha 1,7 milhões de desempregados(7%), hoje tem 5 milhões (21,5%);

5)   A Grécia perdeu 11% do PIB nos anos de 2009 e 2010. Sua dívida pública saltou de 120% do PIB para 180%;

6)   A França, segunda maior acionista da EU reduziu sua previsão de crescimento de 1,75%, para 0,9%;

7) a Itália tem dívida pública maior que seu PIB, seus títulos tiveram antecipação de vencimento ou não rolagem da dívida devido ao desastroso governo Berlusconi;

 

Década Perdida

 

O ex-presidente do Banco Central Suíço, Jean Pierre Roth, disse: “A Europa está entrando em uma nova fase de incertezas que pode durar uma década” (Estadão, 30/10/2011). No mesmo jornal uma longa entrevista do ex-Economista-Chefe do FMI, entre 2001 e 2003, Kenenth Rogoff, deu uma visão sombria sobre a Europa: “É muito provável que um ou até mais países deixem a Zona do Euro”. Inclusive o que dizíamos seguidamente( Ver Crise 2. 0: Estados Unidos da Europa ) , ele confirma, de que só restou aos governos europeus pedir que China e demais membros dos BRICS que os salvem.

Mas a conclusão mais forte e contundente dita e repetida na cúpula da Zona do Euro é que os anos 10, do atual século, será uma década perdida. Vejam bem, estamos ainda no mês 10 do ano 1 desta nova década e o pessimismo é que os próximos 9 anos e 2 meses serão apenas para recompor o que foi/é a Zona do Euro.

A alemã Der Spiegel, vai mais fundo na análise e diz que os políticos europeus manipulam os seus cidadãos, não expondo claramente o tamanho da Crise, e nos bastidores só enxerga duas opções para Zona do Euro:

A)     Governo central forte, algo como Estados Unidos da Europa, um tiro no escuro, pois nenhum político sabe o real significado disto, fora a falta de um Bonaparte que os lidere;

B)   Reduzir a Zona do Euro apenas àqueles países que realmente têm economia e padrão de consumo comum, excluindo os que não se adéquam além de erigir novas barreiras a eles;

Ambas as soluções possíveis são de apenas desespero e com graves conseqüências, políticas e no segundo caso, Social. Abandonar, por exemplo, a Grécia a própria sorte, seria provocar um caos sem tamanho, piorando ainda a sua crise.

A pressa europeia de salvar os bancos é inversamente proporcional à preocupação com o empobrecimento e miséria que volta a grassar na Europa, um desemprego explosivo, principalmente entre os jovens, uma situação desesperadora que atingem países inteiros.

E assim a cena fecha, mas os próximos atos prometem sangue e tragédia…

 

 

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

0 thoughts on “Crise 2.0: Europa – uma nova fase de Incertezas

  1. Mais uma vez Arnobio nos brinda com uma matéria magnífica, no sentido de
    informação, esclarecimento, história.

    “tudo em medonho caos rui e se precipita,

    trovejando e silvando até o fundo abismo

    das voragens que atulha o horrendo cataclismo.”

    ( Fausto – Goethe)

    Goethe foi a pá de cal.

    Tomara o povo brasileiro, em peso, perceba a grandeza dos novos tempos brasilis.
    E #VivaLula!

    E Vivam os jornalistas blogueiros que militam no lado ético da nossa história.

    abraços Arnóbio, náo é a toa que sou tua fã de carteirinha.

  2. Brilhante o jeito e a forma que o Arnobio expõe a questão.

    Nos meus poucos 50 anos rrs, sempre que ele tem problemas financeiros, a guerra é o caminho. Por que não travam a batalha que vale a pena ? Moralizar este sistema corrupto bancário que comando a política mundial ?

    É minha visão simplória, mas por trás de todas as crises dos últimos 20 anos sempre esteve atrelada a Bancos, bolsas e especuladores. Se estou errada, por favor me corrija.

    Hoje li uma matéria que me deixou desolada.

    EUA cortam financiamento da Unesco após aprovação aos palestinos http://migre.me/61W0M via @estadao #FreePalestine

    Preciso falar mais alguma coisa ?

    E depois dizem que eu Marly sou racial rsrs

    Beijos Arnobio

  3. Tão desolador… Todos esses caras se reúnem, pensam, pensam, pensam… e nada medianamente razoável. Dá tristeza toda essa intelig~encia voltada para o mal.

Deixe uma resposta

Next Post

Roberto Carlos e eu

ter nov 1 , 2011
Share this on WhatsApp     Hoje vindo para trabalho procurando uns CDs no carro encontrei um do Roberto Carlos, acústico MTV. Uma coleção de grandes músicas, talvez não as melhores, mas algumas realmente maravilhosas do maior ícone da música popular brasileira, aí começo a lembrar minha relação com o […]
%d blogueiros gostam disto: