O “Novo” e sua Luta pelo Fim da Democracia.

O ideal da Revolução continua vivo, mas sem máscaras ou fetiches.

 “À primeira vista, parece estranho; mas, só é incompreensível para quem não reflete que a democracia é também Estado e, por conseguinte, desaparecerá quando o Estado desaparecer. Só a Revolução pode “abolir” o Estado burguês. O Estado em geral, isto é, a plena democracia, só pode “definhar”. ( Lênin – O Estado e a Revolução)

Venho insistindo, nestes últimos meses em particular, para um debate sobre o tal “Novo” dado como o “sujeito” da “Revolução”.  Os eventos das jornadas de Junho de 2013, no Brasil, não ficam longe de outras lutas, como Espanha, Itália e EUA, tendo como atores fundamentais, os tais indignados e Occupies, que em síntese questionam a democracia, mas especificamente, a representativa. Em alguma medida diferem de Turquia e Egito, que a luta é por democracia em regimes autocráticos.

Não podendo ser colocados como movimentos únicos, apenas por serem massivos e porque, de alguma forma, as Redes Sociais foram meio usado para agregar, divulgar e chamar as manifestações. As características comuns param aqui. Cada realidade e suas soluções de lutas responderam aos seus momentos, inclusive gerando organizações próprias com objetivos distintos. Além de consequências bem distintas, como agora o violento golpe de Estado no Egito, o resultado final é desastroso, daquilo que era saudado como “Revolução”.

Estou lendo o livro “@ internet e #Rua – Cyberativismo e mobilização nas redes sociais”, de Fabio Milani e Henrique Antoun,  mas já esbarro num complicado prefácio de Ivana Bentes, que beira ao surreal, que para azar, do prefácio, o modelo “nova Revolução” by Egito,  M15, 5S  ou Rede Sustentável,  deu no que deu, nem deve ter dado tempo de se “corrigir”. O triunfal e arrogante “Adeus, Marx”, em nome do mundo virtual, foi literalmente atropelado pelo Mundo Real e os cadáveres egípcios. Ou pelos Black Blocs e “anônimos” dominados pela extrema-direita que querem a queda do Governo Dilma.

O Ultraliberalismo é uma esquina onde os extremos da Esquerda e da Direita se encontram: Cyberativismo com Tea Party – ambos desprezando a democracia. Que momento inglório! As piores condições de luta para os trabalhadores é sob ditadura, quem defende o fim da democracia não defende a Classe, se bem que ali já fica claro que o que se defende é a “pós-classe”. Conceitos difundidos no prefácio do livro, como: “O paradoxo capitalista é ter que barrar a socialização, compartilhamento e difusão cada vez mais veloz da produção, resultado do trabalho cognitivo e afetivo, que não pertencem mais ao capital, mas resultam das relações sociais de cooperação”. Ora, como assim, o Kapital não é dono do trabalho aplicado, em que mundo a autora vive?

Sobre isto já tinha analisado em dois artigos ( Indignados, será que surgiu o “Novo”? e O “Novo” e o Kapital II – Dinheiro ) em que reafirmo que não existe dois “capitalismo”, não existe corte entre Capitalismo Burro e Capitalismo Cognitivo, isto é um embuste. Aqui, repito: “Pelo que percebi no que tenho lido, agora estamos vivendo o “Novo” no movimento social e que estamos numa mudança de paradigma parecida com a mudança da “sociedade agrícola para a sociedade industrial”. Agora, tal mudança, seria da Sociedade Industrial para “Informacional”, seja lá o que diabo signifique isto. Ora, a sofisticação produtiva, não substituiu o modo de produção capitalista, nem há uma transição dele para qualquer outro modo de produção, a não ser que o tal “Capitalismo Cognitivo” seja um modo de produção “Novo”, mas falta categoria econômica e filosófica que justifique tal tese”.

O debate não se pode fazer comparando a transição do modo de produção FEUDAL, agrícola, para o modo de produção Capitalista, Industrial, mesmo que ainda incipiente na época dos Ludistas, já se impunha como modo de produção determinante, que o avanço da indústria enterraria definitivamente o modo de produção feudal, do predomínio do campo sobre à cidade. Ali, temos uma mudança efetiva de sistema, aqui não há mudança no modo de produção e acumulação, não se rompe com a sociedade de classes, nem se substituiu a luta de classe, o liame que une trabalhadores e burguesia. A leitura mais elementar do Manifesto, ajudaria a dirimir qualquer dúvida sobre  funcionamento do regime burguês, ali, Marx e Engels, definem de forma cristalina qual o objeto do Capital, o que nos parece, em essência, é o que sustenta a sociedade de classes: O Lucro.(Indignados, será que surgiu o “Novo”?)

Mais a frente, temos que “A forma rede, na sua configuração P2P, cooperativa, desindividualizada, não responde mais aos atos de fala e de comando vindos de uma centralidade qualquer (partidos, mídia, ONGs, grupos já previamente organizados, etc.), mas emerge como uma rede policêntrica ou distribuída capaz de se articular local e globalmente, numa conexão máxima, e capaz de rivalizar (inclusive por sua imprevisibilidade) com as redes constituídas dos poderes clássicos”. Aqui Partidos e organizações são desprezadas em nome da “Matrix”, francamente.

Contraditoriamente, na Esquerda, estes valores forma assimilados de forma sutil, pelos movimentos de “Indignados” “Occupies”, agora, aqui no Brasil pelo tal “Gigante”. A maior expressão deles é a força pela diluição dos partidos, sindicatos e organizações civis, como se estes fossem empecilho ao “novo”, mas de que novo estamos a assistir? Um Estado ultraliberal, sem “políticos” sem ordem e sem freios sociais, como define: “A democracia passa a ser um “estorvo”, os velhos políticos ou as velhas formas de representação são tragados ao caos, esta aparente desordem esconde o “Novo”, um estado controlador, espião, policial que consegue galvanizar as revoltas não contra si, mas contra a própria democracia, vide Egito, Turquia e agora no Brasil. As massas perdidas gritando contra as instituições, contra os políticos, mas não contra o Estado. Aliás, este ganha força com as propostas de intervenções das “forças da Ordem” ou o surgimento de um Batman, de um herói que ajude a criar mais uma “máscara” e proteja o Estado Gotham City”. (Escândalo de Espionagem e o Estado Gotham City)

A tentativa de substituir o mundo Real pela abstração Ideal já tinha ido mal com gente mais qualificada como Hegel, Kant ou Feuerbach imagine agora com este neoidealismo canhestro? Dá nos nervos esta estupidez do tal “Capitalismo Cognitivo”. Por dever de ofício, lerei, não serei mesquinho em ignorar como fizeram com meu livro (Crise Dois Ponto Zero – A Taxa de Lucro Reloaded), mas é dose pra elefante o repertório, já no prefácio. Este é um momento crucial de reafirmar a luta de classes, nunca foi tão dura e desfavorável, não dá para uma parte do movimento de esquerda embarcar numa viagem lisérgica.  A confusão conceitual pode nos custar caro.

Pelo que vejo nada se cria, apenas usam nomenclaturas diferentes para expressar a mesma embromação, viva o Kapital: Burro ou Cognitivo, pois a exploração não é acidental, ao contrário, é a parte essencial do modo de produção. O fetiche é livre, se ilude quem quer.

3 thoughts on “O “Novo” e sua Luta pelo Fim da Democracia.”

  1. Perfeito Arnóbio. O estado mínimo também é a democracia mínima. O grande erro de quem escolhe esse caminho é achar que vai ficar fora da linha de corte. São inocentes com todos os seus títulos e pouco mais que combustível para o sistema. O mundo não pertence só aos mais fortes, aos mais inteligentes, aos mais bonitos. Ou lutamos pelo social ou fatalmente a linha de corte se estreita.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: