Crise 2.0: #29S – A Resistência na Europa

 

Praça Neptuno, noite de 29 de Setembro - Foto El País
Praça Neptuno, noite de 29 de Setembro - Foto El País

 

 

A provocação do Presidente da Espanha, Mariano Rajoy, de que a “maioria silenciosa” era contra os protestos chamados pelos #25S, os “Indignados”, foi como um murro na cara dos cidadãos espanhóis, a resposta parece clara, hoje durante todo o dia e se estendendo pela madrugada milhões de pessoas foram às ruas, agora cercam o Parlamento do país, com um mensagem bem clara: Parem os Cortes! Aqui, na série sobre a Crise 2.0, venho trabalhando e analisando o desenrolar da crise na Zona do Euro, em particular nos países mais afetados e que estão sob às ordens da Troika e seus planos de mais arrocho, só levou Portugal, Grécia, Irlanda e agora Espanha a mais crise, miséria e fome.

 

Como demonstramos nos últimos posts, consolidados no artigo : Crise 2.0: Espanha – Ruptura Social, nos parece que a completa falência econômica da Espanha será acompanhada de um processo de desintegração social, que só sobrou ao governo da Extrema-Direita, liderado pelo pernóstico, Rajoy, a repressão aberta ao seu povo e a intimidação, naquilo que venho denominado de Estado Gotham City, formulado no artigo ( Crise 2.0: O Estado Gotham City ). Ao mesmo tempo que Rajoy provoca o povo falando de maioria silenciosa, lançou mão de um aparato repressivo violento e desproporcional, a policia filma os manifestantes, identificando-os, pondo seus rostos nas tvs e web para intimidá-los e futuros processos, que serão seletivos. O caminho de Rajoy é o Estado de Exceção, suspendo as garantias constitucionais, pois não há espaço político para promover mais cortes, como os apresentados ao orçamento de 2013.

 

A reação das pessoas foi bem capturada pela edição on line do jornal El País, que acompanha os milhões que se manifestam e não arredam pé da luta, que segundo o jornal,  “os manifestantes expressaram indignação com a ação da polícia, declarações posteriores, alegando que a intervenção do governo foi “extraordinário”, “maravilhoso”, “brilhante” e “exemplar”, e também é ofendido pelo palavras Mariano Rajoy, em Nova York”. ( falando da “maioria silenciosa” vs baderneiros) . Os insultos de Rajoy e da autoridades elevou o nível de revolta, hoje o 29S, demonstrou a disposição do povo, como declaram as pessoas entrevistadas: “Eu me senti insultada, e vir aqui é a minha resposta”, disse Elizabeth Martinez,uma advogada de 38 anos. “Eu acho que o sistema está quebrado, que listas fechadas não me deixa escolher representantes querem, que as promessas eleitorais não são cumpridas, e que a ajuda do governo aos bancos sobre as pessoas. Rajoy, por tudo o que ele diz, não vou calar a boca. “

 

Image
imagem do 15M

 

 

É uma voz contundente que se segue a muitas outras, ainda mais forte, ainda segundo o El País: “Essas palavras foram um erro”, concorda João Alcudia, 74, aposentado. “Você não pode ofender o público e manifestar pacificamente”. “Um pouco de respeito, por favor”, diz Montse Fernandez, 38 anos, que compareceu ao evento com sua irmã Vanessa e um amigo. “Quem é este homem para julgar para assistir a uma demonstração? Eu sou um bom cidadão, trabalhando mãe, eu pago os meus impostos e manifestar precisamente porque me importo com o meu país. Porque eu quero o meu filho de dois anos tenha futuro e eu não gosto que o governo está fazendo. Rajoy poderia parar um pouco olhar para a rua e ver o que está acontecendo. Parece que os políticos estão em outro mundo. Levou décadas para obter direitos sociais que nós tivemos, e não vamos testemunhar como se dissipa tudo sem protesto. ”

 

As imensas manifestações tomaram conta  de várias cidades europeias em solidariedade aos espanhóis, Berlim, Varsovia, Londres e Lisboa se levantaram no protesto de hoje,o 29S, na maior destas marchas, em Lisboa contou com mais de 100 mil pessoas. Em Madri se fala em mais de 1 milhão de pessoas, a polícia estava confiscando câmeras e celulares para evitar que os manifestantes filmasse a ação repressiva. Tudo me lembra a Praça de Tahir, Egito, na famosa primavera árabe. Aqui vivemos o “Outono do Euro” e Madri pode ser a resposta contra a Austeridade e os planos neofascista da Troika.

 

Acompanhamos de forma muito próxima, eventualmente aqui escrevendo e nos posicionando em apoio ao sofrido povo espanhol, grego, português e em geral da Europa que vive a maior crise do pós-guerra, que a cada dia, hora parece demonstrar firmeza e coesão para enfrentar seus governos comprometidos com os banqueiros e grandes empresas. Agora é preciso resistir e lutar, contra os planos de austeridade e o domínio da Troika.

 

0 thoughts on “Crise 2.0: #29S – A Resistência na Europa”

  1. Prezado Arnóbio
    As informações recebidas pela redecastorphoto da Espanha e Portugal são alarmantes! Creio que as forças de segurança logo “virarão casaca”. Alguns policiais já se recusam a reprimir as manifestações.
    Abraço

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: