Crise 2.0: Espanha – Fome e "Maioria Silenciosa"

 

Repressão na Espanha: Estado Gotham City - Foto: El País

A história se repete como farsa, a Direita faz questão de revigorar o poder desta afirmação, em vários momentos ela lança mão de formulações para comprová-la.  Nestes dias em que a Espanha volta ao centro da Crise, com as nervosas negociações rumo ao pedido de resgate, ao mesmo tempo o povo vai às ruas contra temendo mais um  pacote, como vocês têm acompanhado aqui na série sobre a Crise 2.0, em especial nos dois últimos posts :

Ontem Rajoy pronunciou a frase símbolo da queda dos fascista: “a Maioria Silenciosa não se manifesta”.

 

Ora esta frase tem sido repetida à exaustão e por uma grata coincidência ela antecede à derrota de que a pronuncia. Richard Nixon acossado pelo escândalo do Watergate fala da Silent Majority, para dizer que o povo americano o apoiava em silêncio, mesmo com o barulho dos que pediam sua cabeça, ele contava com a Maioria Silenciosa, bem sabemos que meses depois Nixon, mesmo com esta pretensa Silent Marjority, pediu arrego, renunciando à Presidência dos EUA, entrando para história pela porta dos fundos.

 

Os milicos em Portugal, em setembro de 1974 convocavam a “maioria silenciosa” para enfrentar a “minoria tenebrosa”, que pedia o fim do regime neofascista, comandado pelo General Spínola,  deu no que deu, a tal “minoria tenebrosa” se mostrou gigante e fez a Revolução do Cravos, derrubando o podre regime ditatorial do país.  A frase mais uma vez foi o canto do cisne do regime em queda.

 

Aqui, no Brasil,  o pomposo, midiático e neofascista Collor de Mello, quando Presidente, era atingindo pela CPI e pelos cara-pintadas, saiu com a camiseta e frase sobre a “Maioria Silenciosa” que não o deixaria só. Chegou a convocar, em 1992, num 7 de setembro que esta “Maioria” se manifestasse durante a comemoração do dia da pátria, para sua desgraça o que se viu foi um imenso luto, espontâneo, demonstrando o isolamento completo daquele eleito pelos desejos e manipulações da Rede Globo. Meses depois Collor e sua “maioria silenciosa” deixava o Planalto pela porta dos fundos.

 

As imensas manifestações do 25-S, que virou 26-S, que promete o 27-S, levou Rajoy, que estava Nova York, a pronunciar a frase fúnebre, esperamos que seu destino se cumpra de forma rápida, que o povo espanhol se livre, não apenas de Rajoy, seus carolas de ordem religiosa fascista, mas principalmente da desgraça que se abate sobre o povo. Uma imensa fúria tomou conta da sociedade, que se ver derrotada e desmoralizada, este governo apenas aprofundou e ajudou a jogar para mais baixo o sentimento de orgulho do país. Seu entreguismo e covardia de enfrentar as imposições da Troika e os interesses dos banqueiros levam a Espanha ao abismo.

 

A Fome e a Miséria em Madri

 

Lixeiras Trancadas Foto Samual Aranda/ NYT

 

 

 

 

 

 

 

 

Hoje, 27 de setembro, o parlamento votará mais um plano de austeridade, como se houvesse o que cortar, é a última tentativa desesperada de Rajoy de se mostrar confiável à Troika, sua “bala de prata”( outra frase de Collor ). Ontem no New York Times, como brinde à visita de Rajoy saiu uma longa matéria ( Leia Aqui)  sobre a fome e miséria em Madri, as pessoas buscando as lixeiras para pegar resto de comida, de como algumas prefeituras estão colocando cadeados para evitar o “saque” a comida estragada. Na reportagem, segunda a Caritas(organização católica de apoio aos miseráveis) 22% dos espanhóis estão na pobreza, 600 mil não tem 1 Euro ao dia, vivem do que conseguem de ajuda humanitária.

 

Este é o resultado dos planos de austeridades, que começaram no Governo do PSOE, Zapatero, mas, com a subida ao poder de Rajoy e seu partido, PP, de extrema-direita, a piora foi assustadora, há um claro risco de ruptura institucional e social. O Governo cortou, apenas este ano 30% dos orçamento da Cultura, 20% da Educação e Saúde, mas aumento em 30% o orçamento da Segurança( Crise 2.0: O Estado Gotham City ). O que se viu na terça é o reflexo disto, milhares de agentes, bem pagos, da repressão, batendo e espancando os manifestantes, até setores liberais do país se posicionam contra este tratamento dado ao povo.

 

Acompanhemos, atentamente, o desenlace da “Maioria Silenciosa” x ” Minoria Tenebrosa”…

0 thoughts on “Crise 2.0: Espanha – Fome e "Maioria Silenciosa"”

  1. Olá, Arnobio!

    A situação continua lastimável, degradante.

    O retrocesso europeu visando atender contratos do Euro, colocando o próprio povo em situação humilhante chega a ser surreal.

    O regime de austeridade econômica é levar o próprio povo ao fundo do poço e, se eles pensam que já chegaram nesse ‘fundo’ estão enganados, pois o poço pode ser mais ‘fundo’ ainda.

    Abraços

    Elaine

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: