Crise 2.0: Portugal Castiga os Trabalhadores

 

 

Primeiro-Ministro de Portugal anuncia mais um Pacotaço /foto Patrícia Moreira(AFP)

 

Depois de um certo tempo sem escrever sobre Portugal, aqui na série sobre a Crise 2.0, volto a fazê-lo porque é o país mais obediente aos ditames da Troika, agora depois de 18 meses, podemos analisar o tamanho do estrago que significa o Resgate. Serve também para verificar o que espera Espanha se entrar de cabeça nos planos de resgates. A situação é de penúria geral, mas o governo de Direita, que aprofundar ainda mais no ano de 2013, com um novo Pacotaço.

 

Depois de seguida queda de seus títulos e prêmio de risco, Portugal em menos de dois meses de intenso ataque especulativo, pediu o Resgate à Troika, o valor da “ajuda” chegou aos 78 bilhões de Euros, equivalente a 45% do PIB do país. A primeira exigência da Troika foi o fim das aposentadorias antecipadas, medida cumprida pelo governo do Partido Socialista, que suspendeu qualquer pedido de aposentadoria para pessoas com menos de 65 anos até 2014. A segunda medida que houvesse novas eleições, pois apenas um governo “novo” seria capaz de implementar o Plano de Austeridade.

 

O medo de Portugal cair de vez voltar a situação pré-Euro, fez com que a Direita vencesse com ampla maioria, o peso do pedido do Resgate recaiu sobre o Partido Socialista, o novo governo, em estreita colaboração com a Troika, radicalizou o plano de ajustes: Aumentou os impostos, cortou salários extras na administração pública, cortou empregos, subsídios aos remédios. No início de 2012 impôs uma dura reforma trabalhista, diminuindo o seguro-desemprego, suprimindo férias em troca de estabilidade no emprego.

 

Os resultados são estarrecedores: O PIB recuou 1,6% em 2011, neste ano vai recuar na mesma medida ou mais, o desemprego aumentou de 2009 para cá de 8,9 para 15,2, houve um empobrecimento geral da população, muitos portugueses abandonando o país, devido a falta de perspectiva de futuro. Todas as medidas impostas pela Troika e aceitas pelo governo da Direita, transformada em leis no parlamento que eles dominam. Mesmo diante do fracasso, ontem, Passos Coelho, primeiro-ministro português, foi à Televisão,antes do jogo Portugal x Luxemburgo, para anunciar mais medidas de aprofundamento da Austeridade.

 

O Governo foi derrotado no Tribunal Constitucional, que considerou ilegal o corte de salários extra de Verão e Natal ( uma espécie de décimo terceiro e quarto), diante do fato, Passos Coelho, vai aumentar as contribuições previdenciárias sobre os salários de 11 para 18%, o que na prática é uma redução dos salários em 7%. Assim detalha o Estadão: Entre as medidas está um aumento na contribuição para a Seguridade Social no setor privado. A taxa para os trabalhadores vai passar de 11% para 18%. Do outro lado, a taxa para as empresas será reduzida de 23,75% para 18%. Para o setor público, a contribuição para a Seguridade Social também vai aumentar para 18%. Após cortar os benefícios de salários extras de férias e Natal para os servidores este ano, em 2013 o governo vai restituir um deles, mas o pagamento será feito em 12 vezes, e não mais em uma única parcela. Para aposentados e pensionistas, os dois benefícios serão novamente cortados no ano que vem.

 

Apenas para lembrar, quinta, aqui no Brasil a Presidenta, foi à TV, mas ao contrário dos governos de Direita europeus que só enxergam nos trabalhadores a fonte para pagar a Crise, ela anunciou medidas para incentivar e manter o emprego, além de anunciar a diminuição em 16% do valor de energia, além de baixar os juros bancários, exatamente na contramão do que se faz nos países em crise. Mas muitos não conseguem perceber as diferenças, se conhecessem o que se passa na Europa, entenderia como o governo atual e o de Lula, enfrentam a crise sem sacrificar os trabalhadores.

 

Portugal, Espanha e Itália atacam frontalmente os trabalhadores e o povo em geral, pois não são capazes de pensar diferente, seguem à risca os ditames da Troika( FMI, BCE e UE), o mesmo que fez o governo tucano nos seus oito anos, precisa dizer mais?

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

Crise 2.0: UE - Mais Austeridade

dom set 9 , 2012
Share this on WhatsApp   O panorama geral da Zona do Euro e da UE é de mais crise, não há uma só perspectiva positiva para este semestre, muito menos em 2013, uma tímida aposta que em 2014 se tenha um alívio. Como estamos debatendo aqui, na série sobre a Crise 2.0, […]
%d blogueiros gostam disto: