The Sinner


A excelente série The Sinner. com Bill Pullman.

Assistindo a série The Sinner (Netflix, 4 temporadas) e impressionado com a qualidade, a profundidade como aborda os temas paralelos, que giram em torno do Pecado/Culpa. Um velho policial, Harry Ambrose, interpretado pelo grande ator Bill Pullman. Na primeira temporada, quem protagoniza e a grande destaque, é para a excelente atriz, Jessica Biel, que interpreta a personagem Cora Tannetti.

Numa praia, um jovem casal com seu filho pequeno, curtindo o momento familiar, bem perto deles, dois casais de jovens, começam a ouvir música alta e a mãe, Cora Tannetti, com uma pequena faca de cortar frutas, agride violentamente um dos jovens, matando-o. Sem nenhuma razão aparente, sem que nada pudesse justificar a ação chocante. Presa, ela se declara culpada.

O caso rapidamente seria concluído se o policial Harry Ambrose não insistisse em saber a razão, se é que havia, para uma atitude tão violenta, pois Cora, diz no depoimento que não conhecia o jovem que ela matou. O que parecia um surto psicótico, um ataque de fúria, o clique seria a música, ou a felicidade dos jovens casais na praia, a frustração do casamento? O que levou Cora a matar?

Na segunda temporada, um casal levaria um garoto de 13 anos (Julian Walker – interpretado por Elisha Hening), que parecia ter 11 anos, em viagem para conhecer as Cataratas do Niágara, um problema com o carro, os obriga a dormir num hotel de estrada, pois apenas no dia seguinte um mecânico viria socorrê-los. Ao amanhecer, Julian, toma café e leva chá para o casal no quarto. Ao beberem o chá, ambos morrem.

A jovem policial da cidade de Keller, Heather Novack (Natalie Paul), é a responsável pela complexa investigação. Ela pede ajuda ao famoso detetive Harry Ambrose, que nasceu na cidade e era amigo de seu pai. Harry aceita voltar a sua cidade natal e a reviver suas dores, seu turbulento passado.

Mais uma vez parece um caso simples de ser resolvido, com a promotoria interessada em fazer um acordo pelo duplo assassinato, que é recusado pela mãe de Julian, a sinistra Vera Walker(Carrie Coon), líder de uma seita/comunidade alternativa aos arredores da cidade.

O elo comum das duas tramas é a confissão diante do grave pecado capital, matar alguém. O Pecador (Sinner), Harry Ambrose, tentará entender o contexto do “pecado” e a culpa.

A discussão sobre Culpa é profunda, a questão da religiosidade, a primeira temporada, a discussão sobre a criação de Cora, família católica rígida cheia de pecados e punições, qualquer simples transgressão, imediatamente exige uma reparação através de castigo, um mundo maniqueísta, dual, de pecado e culpa, sem meio termos.

A questão da culpa é tratada é outra sociedade, baseada em conceitos da natureza, de arquétipos junguianos. A profunda religiosidade, não cristã, em energias e conceitos morais extremamente rígidos, acabam tendo o mesmo efeito, o que pode levar à decisões extremas, e de que se exige expiação de pecados e culpas, sem que espaço para perdões e absolvição.

Numa das cenas mais tocantes, o jovem Julian pergunta ao velho Harry, se a Culpa um dia acaba, se ele vai se livrar do sentimento de culpa. O atormentado Harry, por seus próprios sentimentos de culpa, diz não ter certeza de que se livre de tantos pesos carregados, mas que é importante tentar, ou se livrar dos mais pesados.

Excelente série, a qualidade do texto, dos diálogos e a forma como trata temas tão complexos, inclusive sobre o punitivismo penal, a visão condenatória imediata, bem contra o mal. bandido bom é bandido morto, a sociedade coletivamente expia seus pecados, matando, prendendo, isolando, como se pudesse esconder, varrer para debaixo do tapete, nossos pecados.

Vale muito ver.

 Save as PDF

Deixe uma resposta

Related Post

Parto IntelectualParto Intelectual

Share this on WhatsAppVi o belíssimo documentário sobre Chico Buarque, Chico – Artista Brasileiro, dirigido por Miguel Farias Jr., extremamente bem feito, ideal para os fãs e para novas gerações que não

%d blogueiros gostam disto: