Brasília Ameaçada: Monstros e Mitos.

Monstros, Mitos, tanques assombram o Brasil

“Sofre cada um de vós somente a própria dor;
minha alma todavia chora ao mesmo tempo
pela cidade, por mim mesmo e por vós todos”
(Édipo Rei – Sófocles)

O minotauro, o Touro de Minos, representa a dominação perversa do rei cretense, que tem seu monstro para intimidar seu povo e aos adversários, como, por exemplo, Atenas subjugada, que é obrigada a enviar sete moças e sete rapazes para saciedade da criatura, no seu labirinto.

O Monstro e o Mito, para muito além da mitologia é símbolo do poder despótico, desmedido.

A relação da psiquê humana com seus arquétipos, ensinam e nos assustam pelos milênios distantes da Grécia, de Roma, ou da Índia, funcionam como símbolos de realidades aparentemente distantes, não obstante, tão presentes na modernidade, líquida ou volátil.

Os monstros e mitos se repetem,  e quando alimentados tornam-se cada vez mais famintos e descomunais, a fome de poder e de nenhuma mediação com a polis. Ligam-se, ou se tornam, diretamente tiranos, em qualquer época e modelo político.

Aparecem, crescem em momentos incertos, inglórios, quando a cidade não responde aos seus cidadãos e cidadãs.

As soluções despóticas são apresentadas, por seres disformes, que causam medo, temor, e isso vira um remédio para doença coletiva, tardiamente, esses seres, quando alçados ao Poder, são efetivamente vistos como o oposto ao que se propunham, ao invés de solução, trazem mais dores e causam profundas rupturas difíceis de serem arrumadas.

A experiência histórica não parece nos ensinar, ou, por alguma mágica, inconscientes somos sabotados a eleger essas monstruosidades, na aparência inofensivos, quase bufões, entretanto, carregam em si o mal, a naturalização do mau, a banalização da morte, rir da desgraça, faz piada, troça, nenhuma característica humana e urbana, carregam.

Vivem no extremo, da sombra à luz, depois derrotados voltam aos esgotos, esperando uma nova chance, para assustar a humanidade, a civilização. Um dia desfilam seus canhões e tanques, noutro dia se escondem nos pequenos golpes e rachadinhas, nada são, nada trazem de mudanças, apenas o desejo pelo Caos.

A polis tem que resistir, voltar a enfrentar seus monstros e mitos, para seguir em frente, no eterno embate de civilização versus barbárie.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

A prisão de Bob Jeff e o País no Limbo

sex ago 13 , 2021
Share this on WhatsApp Print 🖨 PDF 📄 eBook 📱O Brasil se supera, sempre. Nem adiante pensar que já viu ou ouviu tudo, alguém vai lhe surpreender, praticamente todos os dias, nesses tempos de Bolsonaro, várias vezes, no mesmo dia, eles se distribuem para repetir as asneiras, uma cortina de […]

Arquivos

%d blogueiros gostam disto: