1839: 28 Meses e sempre será hoje


Letícia e a Lolla, tanto amor envolvido nessa foto.

 

Yo te llevo dentro, hasta la raíz
Y por más que crezca, vas a estar aquí
(Hasta la Raiz – Natalia Lafourcade)

 

Por mais que tente não pensar e lembrar de Letícia no dia a dia, em algum momento, é maior do que eu e ela fica sorrindo aqui ao lado.

Parece bom, doce, deveria ser mesmo bom (deve ser) ter essa lembrança acompanhada, não obstante, dói demais, muitas vezes é desesperador, só me resta chorar, as lágrimas caem do nada, a voz não saí, trava tudo, tudo mesmo, fisicamente o corpo responde com um cansaço repentino, que só a muito custo retomo o que estou a fazer, recuperar o fôlego.

Escrevi recentemente sobre a formatura da turma dela de Odontologia na USP, provável, não é certo, pelo ótimo desempenho dela, que estivesse junta dessa turma tão especial e querida, a carta que ele nos mandaram é toda amor e doçura, sinto como a Letícia era amada e querida por ele, e em todos os lugares em que ela conviveu, espalhou sua enorme luz.

Estou, nesse dia 18, mais uma vez em Fortaleza, como nossos parentes, minha mãe, irmãos sobrinhos, a recém-nascida, Catarina, sobrinha-neta, a primeira parente próxima que nasceu após a partida de Lelê, o que nos encheu de esperança e amor, por ela nos devolver a vida.

Aqui, em Fortaleza, lugar que a Letícia tanto amava, a casa da sua tia Bené, as coisas que ela fazia com a tia, os primos e primas. Por onde andamos há uma presença dela, uma loja de roupas, uma sorveteria, um restaurante, os almoços coletivos da família.

É óbvio e natural que ela seja parte da vida pretérita de todos eles, uma lembrança tão linda e feliz, isso nos acalma e nos enche de orgulho do que ela foi para eles.

A vivência nossa, pais e de Luana, é de presença/ausência, dificilmente será pretérita, não porque desejemos, apenas porque acontece, não temos como fugir dessa realidade.

Mais um dia 18.

Te amo todos os dias!!!

 Save as PDF

Deixe uma resposta

Related Post

%d blogueiros gostam disto: