“Homo sum: nihil humani a me alienum puto” (Sou homem: nada do que é humano me é estranho)  (Publio Terêncio Afro) Calma, não estranhe o título. Hoje é fundamental agradecer ao GENOCIDA, pois, sem ele, uma enorme gama de pessoas, parentes, amigos, conhecidos, famosos, (sub) celebridades, jornalistas, colunistas, políticos […]