Cracolândia – uma Política Higienista

A remoção das pessoas da região da luz, atende apenas aos interesses econômicos, não os humanas.

Bruno Covas , o Higienista, a Prefeitura de SP quer “limpar”, remover a chamada Cracolândia, falta de respeito à vida e aos direitos humanos. Jogar fora aqueles que consideram párias, o fascismo grassa em São Paulo.

Como se trata de miseráveis, no extremo de suas existência, ninguém comenta, finge que não existem, aceitam a higienização como normal.

A maioria não se compadece da tragédia, das vidas perdidas, todos viram a cara e ignoram a política neofascista, de “limpar” a área para especulação imobiliária.

No carnaval a prefeitura tinha proibido o Blocolândia para não macular o carnaval dos bloquinhos branco-classe média.

Hoje avançam para destruir o fluxo, remover vidas, acabar o espaço de convivência, possível, o oposto dos Braços Abertos, é jogar a sujeira para debaixo do tapete.

Os bilhões de empreiteiras interessam mais do que a vida humana, contam com a complacência da sociedade e aproveitam dessa paralisia da Quarentena e impões a limpeza.

Os Direitos Humanos são ignorados, o que vale é planinha do dinheiro, dos gastos, nenhum compromisso social e humano. As violações e a violência é a marca desse período.

É preciso resistir à higienização.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

O Dia Depois do Coronavírus!

dom abr 12 , 2020
Share this on WhatsApp “Que é a vida? Um frenesi. Que é a vida? Uma ilusão, uma sombra, uma ficção; o maior bem é tristonho, porque toda A vida é sonho, e os sonhos, sonhos são”. (A Vida É Sonho, Pedro Calderón de La Barca) O dia depois de amanhã […]
%d blogueiros gostam disto: