Amargo


A tempestade de um tempo cruel

“Close the door, put out the light
You know they won’t be home tonight”
(No Quarter – Led Zeppelin)

Curvo-me mais uma vez à tristeza de um final de domingo, aquele dia em que todas as incertezas da vida conspiram juntas e derrubam até os mais fortes, imagine, os mais vulneráveis de longas jornadas de batalhas inglórias e cujas esperanças não parecem vir mais de lugar algum, e tudo isso não é um mero exercício de linguagem e impressionismo, apenas é.

O sol se foi, restando no céu o cinza, que turva a vista, embaçando os pensamentos e antecipando as dores de uma segunda que ameaça a chegar. Esse é o recorrente sentimento que me habita há tantos anos, tornando o fim de tarde domingo, horas torturantes, de uma contemplação tensa sobre o passando, pior, a violência do porvir cada vez mais imprevisível, numa palavra, deriva.

O fim de ano, essa época sempre baixo astral, que jamais gostei, o vai e vem, pelo nada, a combinação de mentirosas reconciliações com as falsas promessas do “ano que vem será diferente”, e continuando a ser iguais, raramente melhores.

O tapinha nas costas daqueles que te ignoraram o ano inteiro, ou dos chefetes canalhas que precisam parecer humanos. Aquelas confraternizações micadas do “mundo corporativo” ou dos contatos, para não se perder o “network”. A falsidade é a marca, ainda que haja até boas intenções, assim como as piso do inferno anual, tão vem pavimentado por elas.

O azedume toma conta de mim, não preciso disfarçar o que sinto, essa é a vantagem quando se chega a um determinado grau de maturidade, ou seria de ruindade?, então algumas falas incomodas, dizemos sem medo, goste-se ou não, a vida que segue, nesse lamaçal geral em que o Brasil se meteu e não sairá tão fácil, todos os canalhas que você desconfiava que eram, assumiram e isso é ótimo, não há mais necessidade de cordialidade.

Abandonamos a educação formal diante de tantos comportamentos calhordas. De certa forma, isso nos liberta de qualquer coisa, a (má) escolha que fizeram, não nos obriga mais a conviver com essa gente horrenda, mudamos de calçada sem constrangimentos.

Como não tem jeito de pular esses dias vindouros, melhor viver socialmente o menos possível, recolha completa, silêncio e nenhum contato com quem nos fez/faz mal.

Numa réstia última de luz, traindo o tudo dito, amanhã será um novo dia, o ano que vem também.

 

 Save as PDF

Deixe uma resposta

Related Post

A Viagem ZenA Viagem Zen

Share this on WhatsAppEstava aqui sem nada para escrever, dando como certo de que hoje passaria em branco, mas de repente li um pensamento de um amigo, um desejo dele,

%d blogueiros gostam disto: