Crise 2.0: A Rendição da Espanha?

 

Abraço de afogados - do que riem? foto: V. PINTO (AFP)

 

Voltamos a escrever hoje, sexta, aqui na série Crise 2.0, fazendo um resumo da semana e as perspectivas que se aproximam nas próximas semanas. Esta semana foi recheada de temas e fatos que aprofundaram o caráter da crise, reforçando a visão de Krugman e outros que a Crise é depressão, particularmente, ainda não fechei com a tese, mas os elementos estão dados. Depois da grave crise americana, espero fazer um artigo depois sobre o que se passa lá, ela desembarcou na Europa, e se tornou centro do problema.

 

Por dois anos seguidos as economias menores da Zona do Euro foram atingidas de forma pesada: Irlanda, Portugal e Grécia, faliram de forma incondicional e vivem sob o jugo da Troika, suas economias perderam qualquer autonomia, mas, pior ainda, suas instituições políticas ruíram. Estes países são monitorados numa quase intervenção, cumprem draconianos planos de austeridades, mas a crise não foi debelada. Como a soma de PIB dos três não chega aos 8% da Zona do Euro, parecia um problema menor, grave, mas contornável.

 

Mas a crise se deslocou internamente, na Europa, atingindo quase todos os países, com recessão no Reino Unido( que está fora da Zona do Euro), França, Itália e Espanha. Mas o caso ganhou relevo com a quebra da Espanha, que leva junto aos olho do furacão a Itália. A Espanha, a quarta maior economia, entrou em crise profunda desde o início de 2011, e seguidamente vem decaindo mês a mês, a parte mais visível era o desemprego galopante, que subiu em 16 meses de 11,6 para 25%. Mas, o mais grave, ainda não era conhecido, amplamente.

 

A troca de comando na Espanha, centro-esquerda, pela Direita, com alguns aspectos neofascistas, parecia dá certo ânimo aos “mercados”, mas Mariano Rajoy, assumiu o governo sem qualquer plano, pegou o que a Alemanha elaborou, técnicos do Ministério das Finanças deram assistência aos espanhóis. O grande plano foi cortar o orçamento central e das províncias, reduzindo  o imenso deficit fiscal de 8,9 para 5,3% do PIB em 2012, mesmo numa crise de emprego terrível. O Plano 1 propôs corte de 28 bilhões de Euros, o alívio nos títulos espanhóis foi nulo. Um segundo plano propôs corte diretamente na Educação e Saúde de 10 bilhões de Euros, com 40 mil demissões de professores temporários.

 

Nem bem foi a frente este segundo plano estourou a crise bancária, apenas o Bankia, quarto maior banco do País, dirigido pelo Ex-Chefe do FMI, Rodrigo Rato, ligado direita radical espanhola, exigiu resgate do Governo, a conta inicial era de 9,2 bilhões de Euros, em duas semanas chegou aos 23,5 bilhões. O Governo Espanhol tinha apenas 10 bilhões para um resgate do tipo. Duas semanas a mais de estresse intenso, o Governo Rajoy, tentou um “drible da vaca”, um resgate apenas aos bancos falidos, de 100 bilhões de Euros, sem que o Governo fiasse o negócio, não aumentando sua galopante dívida pública, que cresceu em 4 anos(2008 a 2011) de 377 bilhões de Euro oara 771 bilhões. Mais 100 bi, representaria mais 15% na dívida.

 

Estas dúvidas, sobre quem realmente fiaria os 100 bilhões pressionou mais ainda a Espanha, que não consegue rolar suas obrigações, a não ser que pague caro para obter novos empréstimos. A imensa fuga de capitais é o maior reflexo desta crise, nada menos de 250 a 300 bilhões de Euros, quase 20% do PIB espanhol, saiu em apenas 11 meses. Esta sangria, praticamente zerou todos os investimentos internos dos últimos 15 anos. O agravamento é tão grande que só sobrou a opção do resgate total do país, ou seja virar uma colônia da Troika, fazendo companhia a Irlanda, Portugal e Grécia. A suprema humilhação, está em vias de se concretizar.

 

Segundo a agência Dow Jones, o conselho de ministros das finanças da Zona do Euro, conhecido como Eurogrupo, já “Espera-se que a Espanha formalize um pedido de resgate à zona do euro na segunda-feira, declarou hoje o presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker. De acordo com ele, o resgate financeiro à Espanha, que será destinado à recapitalização dos bancos do país, primeiro sairá da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, nas iniciais em inglês), que é provisória, e depois será transferido para o Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) assim que este entrar em vigor.”Nós esperamos que as autoridades espanholas façam o pedido formal de ajuda financeira até a próxima segunda-feira, disse Juncker. Ainda segundo ele, o montante exato da ajuda será conhecido “ao término das negociações do memorando de entendimento”.

 

O Presidente espanhol, Rajoy, já não pode enrolar mais, nem ficar com empáfia e arrogância típica da Direita, a situação já fugiu ao controle, perderá seu, já pouco, poder. Será um mero administrador controlando pelo que a Troika decidir. Durante o G-20, Rajoy já sentiu que não apita mais nada sobre o destino do país, foi cobrado duramente por Merkel, por esconder o resultado da auditória bancária. Virará apenas um fantoche. Hoje o Eurogrupo se reune, pode ser a decisão final. O FMI, um dos pilares da Troika já recebeu 456 bilhões de Euros, na reunião do G-20 para operação resgate.

 

A queda da Espanha, levará junto Itália, um dominó impensável…acompanhemos!!!

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

0 thoughts on “Crise 2.0: A Rendição da Espanha?

Deixe uma resposta

Next Post

Crise 2.0: Uma União Precipitada - Martin Wolf

sex jun 22 , 2012
Share this on WhatsApp   Sexta passada publiquei uma espécie de reflexão de mais fôlego aqui na série Crise 2.0, que indicava como leitura do fim de semana, um artigo de ahnck Red, Presidente da Consultória Towbsend Group, Crise 2.0: Alemanha deveria sair da Zona do Euro?. A reflexão é bem original, hoje, indicarei […]
%d blogueiros gostam disto: