Crise 2.0: Ministro Soduku

 

Schäuble beim Sudoku-Spielen im Bundestag: Was soll das Volk da denken?

(tagesschau – Der Spiegel )

Fugir de uma crítica moral é uma tarefa árdua nesta série sobre a Crise 2.0, mas cada novo lance que analisamos ou estudamos bate este sentimento, que o cinismo e a imoralidade é a regra das relações capitalistas, em particular no tratamento dado aos países que estão em extrema dificuldades, casos da Grécia, Portugal e Irlanda, estes vivem num processo de humilhação sem fim.

 

A cada notícia que sai sobre o acordo grego, invariavelmente, vão se revelando uma série de imposturas que nem o mais impassível dos homens consegue ficar calado. Durante a audiência de apresentação  da condições para emprestar os 130 bilhões de Euros para Grécia o ministro das finanças da Alemanha,Wolfgang Schäuble, jogava Soduku, como se o plano de austeridade e metas aprovados à ferro e fogo no parlamento grego fosse apenas uma brincadeira.

Imagem de Amostra do You Tube

 

Nem precisa entender alemão para saber como a imagem é destruidora os principais jornais e revistas do mundo, condenaram a atitude, o desprezo do ministro à audiência no Budenstag, a insensibilidade para o momento que vive a Grécia e o pior o desrespeito ao parlamento, como se a atividade parlamentar não tivesse nenhuma importância.

 

Novas Imposições à Grécia

 

A reunião de cúpula em Bruxelas ratificou o acordo, que antes havia sido aprovado no parlamento alemão, naquela audiência do ministro jogador de Soduku, mas não sem antes perder a oportunidade de humilhar mais uma vez a Grécia, segundo reportagem do Estadão de hoje:

A União Europeia deu ontem uma amostra de como pretende tratar o governo da Grécia daqui para a frente. Em reunião de cúpula aberta em Bruxelas, chefes de Estado e de governo sacramentaram o acordo para a concessão de um pacote de € 130 bilhões em socorro a Atenas – mas anunciaram o bloqueio de € 71,5 bilhões até segunda ordem.

O objetivo da medida foi pedir garantias ao governo de Lucas Papademos de que implantará 38 medidas previstas no plano de austeridade imposto pela UE e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Caso as garantias sejam dadas, os recursos devem ser liberados em até uma semana”.

A forma sugerida de tratar a Grécia é esta: Humilhar, chantagear, empurrar para o limbo o país e seu povo, que vive uma situação dramática. O Ministro Soduku, Wolfgang Schaueble, tentou demonstrar otimismo dizendo: “O que ouvi até aqui parece indicar que a Grécia está progredindo. É a razão pela qual eu creio que vamos dar um grande passo à frente hoje.” Sendo apoiado pelos colega “Jean-Claude Juncker, coordenador do Eurogrupo – o fórum de ministros -, o país havia “preenchido todas as condições para obter uma ajuda”. “A Grécia tomou as medidas que pedimos, e as coisas avançam bem”, disse o luxemburguês”. (Estadão 02/03/2012)

 

O Papagaio Privado

 

Mas o fundamental mesmo, como sempre, é que o falido Estado grego vai assumir as dívidas das empresas privadas, no informe do Estadão parece mais uma vez bem claro para que serve o desprezado ESTADO:

“Na mesma sessão, os líderes políticos deram aval para o programa de reestruturação da dívida privada da Grécia, um montante que chega a € 206 bilhões. Destes, € 107 bilhões serão “perdoados” por um programa de troca de títulos soberanos antigos por novos, que estão sendo oferecidos pelo Tesouro grego”.

 

Mesmo em situação de falência, o Estado, que os neoliberais gritam pelo fim, agora usam-no, como sempre fizeram, para salvar o Capital Privado, esta crise põe a nu esta ideologia mentirosa, que a iniciativa privada é tudo, que o “Mercado” resolve tudo. Se assim fosse, por que o Estado é chamado para salvar as dívidas privadas? Cadê o Deus Mercado?

Só mesmo jogando Soduku, fingindo-se de morto, para não enfrentar o debate, a questão do Estado voltou forte ao centro da luta de classes, a forma como ele foi quase que totalmente destruído, demonstra o erro fatal dos anos 80/90, aqueles que queimaram irracionalmente o Estado em nome da ideologia, hoje, pagam caríssimo pela ausência dele.

 

 

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

0 thoughts on “Crise 2.0: Ministro Soduku

  1. O que me impressiona mais é forma canalha de tratar o problema, primeiro implantaram na mídia mundial que os gregos são preguiçosos, que se aposentam ainda na maternidade, etc. Depois vem o castigo. Não é preciso dizer mais nada.

  2. Francamente deixando de lado qualquer partido a Grécia fez falcatruas de toda forma e agora quer dinheiro? Vai trabalhar já pensaram se o Brasil tivesse que pagar a conta de paises populistas como os nossos vizinhos Sul americanos com nossos impostos?

Deixe uma resposta

Next Post

A Whiter Shade of Pale

sex mar 2 , 2012
Share this on WhatsApp   “And although my eyes were open, They might have just as well been closed”   Hoje, muito cedo, um calor, como pouco visto em São Paulo, ao chegar ao trabalho vejo na TimeLine do Twitter um link para uma música que acho absurdamente linda, sem […]
%d blogueiros gostam disto: