Das Aflições e Da Esperança: Não Olhe Para Trás!


O mar que nos aflinge e o farol que nos redimirá.

“o que se tem é tudo que se precisa” (Pensamento Zen)

O mito de Orfeu (muitas vezes recorrente nesse blog) é uma mensagem clara, um alerta fundamental para todos: Não olhe para trás, ou também pode ser, não viva a vida olhando pelo retrovisor. O herói perde sua amada, Eurídice , que ele tinha descido ao Hades para resgatá-la. A bíblia o repete com Lott, que perde sua esposa, quando ela olha para trás.

Talvez essa seja a grande questão que a humanidade super conectada, com seu oráculo, o Google, irá enfrentar em breve, como seguir em frente, pois os computadores, os smartphones, a internet, não darão respostas aos anseios e aflições causadas pelo pânico. A resposta virá dos arquétipos, das vivências primitivas, da busca interior, do resgate do que humano.

O corte entre os dramas e aflições pessoais e as questões gerais, numa luta de vida e morte, sem que se possa dominar o destino, os nossos e dos demais, nem mesmo olhar com algum otimismo de que haverá luzes à frente, paralisa.

Assim, se segue numa dura luta interna, para vencer a paralisia, a estátua  de sal, e que impulsione e lute com mais força, parece que nada se ajusta, agora, que não se enxerga o Norte.

Superar o trauma é olhar para frente, curtir mais a vida, pois ela é breve, com ou sem pandemia,  90% dos dias, perde-se o tempo com bobagens, questões que são absolutamente secundárias e esquece-se o principal: amar,ser felizes, que só se apercebe disto quando estamos nos extremos de nossa existência, ou passamos por situações limites, nossas ou de nossos entes mais amados – pais, filhos e amigos.

Pensem nisto, toda vez que entremos em bola dividida, só se realmente esta valer um gol, aquele que nos redime e nos fará mais felizes.

Agora, as reflexões que fazemos, os nossos pesares, as dores que vivenciamos, o duro reconstruir e como nos readaptaremos a cada situação, para manter fé na vida, nas pessoas e de que o dia de amanhã será melhor, não é simples, estas marcas estarão na nossa pele, nos envelhece, nos fará mais contidos, mais reticentes.

Muitos valores tolos, se foram, o que é bom, mas o frescor de sonhos de uma primavera, já não é o mesmo. Uma nova jornada se iniciará, é preciso acreditar.

O tempo nos cura, ainda não sabemos se completamente, mas a sentença será sempre a mesma, com seu sentido psicológico e filosófico: Não olhe para trás.

https://www.youtube.com/watch?v=sbncpcsAi1I&t=25s

 Save as PDF

One thought on “Das Aflições e Da Esperança: Não Olhe Para Trás!”

  1. Querido Arnóbio, não sei se te falei, mas esse mito – Orfeu e Eurídice – falvez seja o que mais me impulsiona a escrever meu livro de contos, embora seja por outra perspectiva, além da que você aborda em seu texto. A perspectiva que abordo é anterior à descida de Orfeu ao Hades: temos que resgatar e buscar aquilo que amamos, nem que seja preciso descer ao Inferno. Como disse Dante: “E quindi uscimmo a riveder le stelle”. Mas o que você escreve é dialético, pois resgata o pantha rei de Heráclito, na perspectiva de que não podemos voltar atrás porque já não encontraremos o que buscamos. Somente quando subir a olhar o céu, quando ascendermos, reveremos as estrelas. Adorei as composições de Egberto Gismonti trazidas de regalo. Indico a composição Melodia para piano solo, de Gluck, da ópera Orfeu e Eurídice, executada pelo pianista brasileiro Nelson Freire. Parabéns! Lindo texto.

Deixe uma resposta

Related Post

Olhar 43Olhar 43

Share this on WhatsApp      É, chegamos lá, aos 43 invernos, parece simples, fácil, muitas vezes foi, mas como a vida tem dinâmica própria, somos sujeitos a muitas viradas

Virando a páginaVirando a página

Share this on WhatsApp Vamos virar a página e recomeçar com o Grande Pink Floyd http://www.youtube.com/watch?v=wwTmCJHl2CM Wearing The Inside Out Pink Floyd Composição: Rick Wright/Anthony Moore From morning to night

%d blogueiros gostam disto: