Das Confissões – O Dia de Domingo.

O céu azul lindo de Fortaleza, Ceará.

“Perdida toda a sombra de esperança!
Em vez de nós, expulsos, exilados,
Criada já existe a prole humana,
Prazer novo de Deus, e este amplo Mundo
Para morada deleitosa dela”
(Paraíso Perdido – John Milton)

Domingo é o dia do “ato penitencial”, o dia do arrependimento, daquele sentimento de culpa, seja do que seja, talvez venha dessa introspecção a razão da melancolia desse dia, Durante a manhã, acordar depois dos excessos da sexta e sábado, para buscar o “perdão” (não importa, culto, religião), o almoço é mais tarde, a sesta, o futebol, aí vem aquele banzo.

Por essa razão, sendo livre de culpas e pecados, do ponto de vista religioso e religiosidade, a reflexão invariavelmente para as ações do dia a dia, as relações interpessoais, as interações com o mundo, com os amigos, com as pessoas em geral. Nem sempre encontro uma explicação certa sobre determinados fatos e situações complexas que enveredamos na semana e na vida.

Nem sempre o “balanço” é positivo, mas seguimos em frente, sabe-se lá para onde.

Cada vez percebo que estou mais forte e firme na defesa de algumas teses que são centrais na minha vida e sobrevivência, entre elas, os Direitos Humanos (Eu soudesse pessoal dos Direitos Humanos) como forma de defesa da vida e da dignidade humana, inclusive a minha.

Por outra mão, faz muito tempo que não tenho nenhuma preocupação em carregar a verdade e a certeza, de que detenha o conhecimento e que a razão esteja comigo. Nesse bojo, nem me lembro mais de que, por longo tempo, mudaria as pessoas, que elas iriam pensar como eu, nada disso, aprendi que a melhor mudança é mudar a si mesmo, eventualmente alguém terá ideias comuns e juntos lutaremos por essas ideais.

É parte de minhas reflexões combater as minhas vaidades, as minhas pinimbas contra coisas, grupos e personagens. Rever as minhas idiossincrasias, as minhas esquesitices que muitas vezes me fazem perder o prumo, ou não ser o que sou.

Mas essas manias e vícios são parte de nossas contradições e defeitos normais e humanos, não quero saber de redenção, absolvição, perdão de pecados, apenas viver, com dignidade.

Bom domingo.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

As Lágrimas do Domingo.

dom mar 28 , 2021
Share this on WhatsApp Print 🖨 PDF 📄 eBook 📱 As lágrimas do domingo são como pedágios de dores e frustrações e de perda. A saudade da Letícia vem de uma forma avassaladora, as lágrimas começam a cair molhando o rosto, quase não enxergo as letras enquanto estou a digitar […]
%d blogueiros gostam disto: