O Lado Terrivelmente Humano Que Nos Dignifica.


Um símbolo de reconciliação humana, consigo mesmo.

Há um hiato, uma fenda, entre o espaço público e o espaço privado que um (a) cidadão (ã) ocupa, que é a questão humana.

É essa réstia de sol que ilumina e que nos relembra o que há de humano em nós e que pode ir além das questões políticas, das disputas e nos faz ver o que poderia (ou deveria) ser tolerado nos limites da vida, segundo essa compreensão humanística.

Ontem fiz um post em redes sociais e republiquei aqui Bruno Covas e o Moralismo de Ocasião. e gerou muitas discussões, polêmicas se deveria ou não o prefeito ter ido ao jogo, a contradição de decretar isolamento e ir se aglomerar, entre outras.

São debates calorosos. pois se trata de uma figura pública, que dirige a maior cidade do país, adiante-se. que é uma gestão extremamente ruim, sem compromisso com os Direitos Humanos, que faz ataques aos direitos dos trabalhadores, o contaste descaso com a população mais vulnerável, insensibilidade com os idosos, como o corte do passe livre para a faixa de 60 aos 64, por exemplo.

O texto é uma reflexão por outro ângulo da questão humana, dos nossos limites, e da nossa generosidade com os que agem e pensam diferente de nós, mas que merecem o olhar solidário quando lutam por suas vidas, por doenças graves e que vivem no limiar do seu tempo, suas incertezas e dores, ao mesmo tempo, o direito humano, aos seus pequenos prazeres e necessidades humanas.

Reflito sobre valores que podem nem compartilhados pelo personagem, por seus assessores, por sua corrente política, e nem por isso deixei de defendê-los, com o mesmo apego que faço ao lutar pelas pessoas vítimas das políticas implementadas pela prefeitura de São Paulo.

A incapacidade de enxergar o humano, suas fragilidades, mesmo naqueles que mais combatemos, nos destrói como humanos, simples assim. Jamais me intimidaria pela censura, senão de qualquer tipo. Não defendo o prefeito, o homem público, nem seus valores privados, mas o seu direito à vida, entendo a dor que carrega e sua luta pela sobrevivência.

A literatura é repleta de exemplos de como se dão esses hiatos de sentimentos humanos, para além dos embates e lutas, inimigos e adversários.

Na majestosa Ilíada, Príamo  chora aos pés de Aquiles, o poderoso Rei de Troia se humilha perante o algoz do seu filho, mas o faz pelo direito de Heitor ter seu enterro com as honras dos heróis. No Blade Runner, Roy, caça o caçador de androides, Deckard, que acabara de matar sua namorada, porém, naquele último instante, ele salva o odioso inimigo, uma luz na escuridão.

Reafirmo tudo o que disse antes, sem medo de ser feliz.

 Save as PDF

Deixe uma resposta

Related Post

Olhar 43Olhar 43

Share this on WhatsApp      É, chegamos lá, aos 43 invernos, parece simples, fácil, muitas vezes foi, mas como a vida tem dinâmica própria, somos sujeitos a muitas viradas

Das RupturasDas Rupturas

Share this on WhatsApp“Na minha desventura, contemplo um mar tão vasto de infortúnios, que nunca poderei salvar-me a nado, nem ao menos vencer esta vaga fatal que ora me assalta”

%d blogueiros gostam disto: