O Brasil Precisa do 2º turno, É URGENTE!

A convergência apontam um desastre de que a eleição acabe no primeiro turno.

O risco de que a eleição se decida no primeiro turno, de forma puramente emocional, ou melhor, irracional, no caso do Bolsonaro, será o enorme prejuízo político de não se discutir efetivamente os programas e as perspectivas para o Brasil.

Bolsonaro, com 8 segundos na TV e o incidente da facada, sem NENHUMA proposta apresentada, apenas o “contra tudo que está aí”, escondeu o que é o candidato, o que ele pensa e o que ele faria num governo.

Sem um debate direto, vota-se num cheque em branco que será usado contra todos.

As últimas pesquisas começam a apontar para um acirramento político ainda maior, com características muito parecidas com as eleições de 1989. Com o engajamento enorme para a extrema-direita, insuflada pelo Medo da Esquerda, transformando em votos definitivos, uteis (sic), que levaria a uma vitória no primeiro turno, de Bolsonaro.

Essa disputa, mano a mano, desidratou Marina e Alckmin, de forma irresistível, e impediu crescimento de Amoedo, com a migração de seus eleitores rumo ao Bolsonaro, em sua maioria, por “medo do PT”, o resquício da campanha difamatória dos últimos anos, claro, pelos erros de seus governos.

Esses eleitores, identificados com a Direita e Centro, apenas uma parte pequena, vai rumo à candidatura Haddad, não com convicção, mas por saber do risco de ruptura institucional de uma candidatura da extrema-direita e as aberrações proferidas por ele e seu vice, as ameaças de não respeitar os resultados eleitorais ou simplesmente rasgar o que sobrou da Constituição.

No campo de centro-esquerda, Haddad se distanciou de Ciro, ambos estão mantendo as intenções de votos, mesmo com o apelo hipotético de que Ciro “venceria” Bolsonaro, num 2º turno. É quase uma chantagem, sem garantia de que seja certa.

Detecta-se, especialmente nas redes sociais, uma volta de eleitores do PT que tinham declarado voto em Ciro, mas permanece uma dúvida, mas a campanha de voto útil de Ciro, acaba incomodando e não agrega, a instabilidade explosiva gera dúvida ainda maior se ele seria capaz de manter firme o embate ou ter uma atitude desairosa e poria tudo a perder.

Essa divisão e pouco urbanidade do debate, nesse campo, facilitou o trabalho da extrema-direita, pois não precisa explicar nada, é só a contraposição ao PT, à esquerda, o “comunismo”, a URSAL, esse antipetismo primário que não diz nada, que, inclusive, não ajuda na necessária crítica, em apontar os erros que cometeu nos seus governos.

É o que se vislumbra, um embate entre Civilização x Barbárie, o que vai além de ser apenas uma disputa eleitoral qualquer. O Segundo turno será uma oportunidade de se conhecer quem é Bolsonaro e o que se propõe Haddad ou Ciro.

Ainda dá tempo de garantir o Segundo turno.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

As Redes Sociais Destruirão a Democracia?

qui out 4 , 2018
Share this on WhatsApp “Oh, da Poltrona” (Aragão, Renato) O comediante cearense tinha esse bordão para se dirigir ao seu público cativo e passivo em frente à tv, no final de domingo, naquela hora “morta”, melancólica, da segunda que nos ameaçava. Essa imagem, foi ultrapassada, rapidamente, em pouco mais de […]
%d blogueiros gostam disto: