As Dores do Medo das Trevas

A sombra e a escuridão de uma estrada cada vez mais estreita.

“Amanhã, e amanhã, e amanhã
Arrastam-se nesse passo miúdo dia após dia
Para a última sílaba do tempo narrado;
A nós tolos, todos esses ontens iluminaram
O caminho para o pó da morte. Apaga, apaga, lume passageiro” (Macbeth – WS)

O que a vida reserva a cada um de nós? Prazeres, alegrias, dores, desesperos. Qual o metron que não se pode ultrapassar? A imensa maioria do planeta vive dos aflitos e das incertezas sobre o que irá comer hoje ou amanhã, de como irá sobreviver ou aguentar o pesado fardo da existência. Ainda que acredite em algo que os faça seguir, a perspectiva diária teima em desmentir qualquer fé ou credo.

As reflexões doloridas de um fim de sexta, acalmadas pelo balsamo que vem das músicas que ouvimos, nesses momentos em que a sombra e a escuridão dominam o cenário. A semana corrida, vivida intensamente, vencida dia a dia, superando os percalços desse ambiente sufocante que se transformou o Brasil, avançando perigosamente para o abismo e o caos.

O corte entre os dramas e aflições pessoais e as questões gerais, numa luta de vida e morte, sem que possamos dominar o destino, o nosso e dos demais, nem mesmo olhar com algum otimismo de que haverá luzes à frente. Assim seguimos essa dura luta interna, sem que nos paralise, mas sem que impulsione e lutemos com mais força, parece que nada se ajusta, não enxergar o Norte.

Os limites pessoais, as demandas íntimas, sobrecarregam, puxando para baixo o olhar coletivo, a doação para que se possa fazer algo mais, ousar mudar o estado de coisas. A dura realidade de emprego, reprodução essencial do corpo, aprisiona a mente, os sonhos não são sonhados, pois o cérebro vive cansado, incapaz de viajar, a criatividade e capacidade diminuem.

Essa terrível dualidade, pensar longe em contradição de executar pouco, tornam o viver um drama, uma dor que não se mede, mas se sente. De algum lugar, uma pequena lamparina se acende e emite uma fraca luz, um aviso de que é possível continuar, que uma mudança virar, uma nova primavera há de surgir, superando esse longo e tenebroso inverno.

Assim, ouvimos a música distante, incidental, e não dá tempo para nenhuma lágrima a mais, reviver, renascer, lutar, em breve sorrir.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

Cenário Eleitoral: O Crescimento da Esquerda e o 2º Turno - Civilização x Barbárie.

seg set 24 , 2018
Share this on WhatsApp A maioria desconfia de pesquisas eleitorais, sempre com uma certa razão, raramente, nesses 9 anos de blog briguei com os números, favoráveis ou contra. Em geral elas captam um sentimento preciso para aquele momento, como também têm um caráter bem definido onde realizar sua sondagem, o […]
%d blogueiros gostam disto: