Lulacentrismo: Pela lógica Lula, não o Sol, é centro do Universo.

Lulacentrismo: Pela lógica Lula, não o Sol, é centro do Universo.

“Mesmo na loucura, ele tem um método” (Hamlet – Shakespeare)

Infelizmente estamos diante de uma condenação líquida e certa, não importa se há crime ou conduta criminosa e, mesmo diante da confissão (ou seria escracho?) de “que não temos provas cabais, mas temos convicção”, Lula está condenado, na verdade a Política está condenada, assim como a Democracia.

O problema é anterior, que deságua nessa afronta jurídica.

A lava jato é um típico tribunal de exceção, essa é a raiz da questão. O que seria uma operação de combate à corrupção, transformou-se rapidamente no inominável. O que se depreende é que não há separação de funções, agem às seis mãos (juiz, MPF e PF). Todas as ações e linhas de inquéritos, perguntas e elaboração de peças são feitas em parceria. O que esperar de isenção num julgamento? ZERO.

O que mais me assusta, desde de 04 de março de 2016, no dia da condução coercitiva de Lula,  é que o método de afrontar à lei e a justiça só se aprofundou. Quem leu o depoimento de Lula, entenderá rapidamente de que nada faz sentido ali, as perguntas do delegado era risíveis, na aparência, mas seguia uma lógica clara, a de buscar uma “confissão” de que Lula era presidente. E que sendo o presidente, de que nomeou, quem nomeou, assim, pelo domínio dos fatos, ele era o comandante máximo.

O auge da ilegalidade foi o juiz, com a anuência do Procurador-Geral, vazar o áudio de uma conversa da Presidente da República com o ex-presidente Lula, ultrapassaram qualquer limite, o vale tudo se estabeleceu. Esse episódio, extinguiu a mínima possibilidade de se levar à sério uma operação que pretendia “limpar” o Brasil, demonstrou que o único interesse era destruir Lula e o PT.

O silêncio do STF e a falta de coragem de Dilma, foram determinante para que o juiz se sentisse livre para fazer o que quiser, jamais será confrontado, ao que pese as ilegalidades cometida. O próprio juiz, a quem não ouso nomear,  é que determina a linha de convicção, jogando para mídia e aos desavisados a conduta da farsa jurídica de “persegue os bandidos”.

Até o direito de defesa é visto como Crime, não restando nada a fazer, pois a narrativa da condenação é feita “a priori”, escrever um artigo apelando à razão pode significar retaliações.

O que é mais preocupante é que parece que os doutores (todos formados em Direito) da Lava jato , não tiveram as cadeiras de Ciências Políticas, de História e Teoria Geral do Estado. Ou será que o higiênico gabinete, os ótimos salários e as enormes vantagens dos cargos que ocupam,  os fizeram esquecer do mundo real e dessas matérias?

Por acaso esses senhores não sabem como é uma democracia, como funciona um regime de partidos e disputas eleitorais (aqui, nos EUA, na França ou no Japão), dos acordos necessários para gerir uma sociedade, mais ainda nossa tão desigual. A pluralidade de correntes políticas e ideias, não seriam representadas no Governo? Como são feitas as costuras de maioria nos parlamentos do MUNDO? Como acham que Temer, por exemplo, Governa? Ou Alckmin, ou Beto Richa, ou um prefeito de Bela Cruz (CE)?

O mundo preconizado pela Lava jato é de uma ditadura, é do Estado de Exceção (a que denomino de Estado Gotham City), da casta do puros, dos bem-nascidos, não se aplica a um regime democrático, a autocracia que eles defendem acabam com uma sociedade plural, o Direito é usado para perseguir as atividades políticas, não para dá suporte à paz social e a mediação de conflitos.

O Brasil Democrático está chegando ao fim, os coveiros estão em Curitiba?