Rio de Janeiro - Cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos Rio 2016, no Maracanã ( REUTERS/Fabrizio Bensch/Direitos Reservados)

Rio de Janeiro – Cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos Rio 2016 ( REUTERS/Fabrizio Bensch)

“Cidade maravilhosa
Cheia de encantos mil
Cidade maravilhosa
Coração do meu Brasil”

Brasil, a contradição de não ser Feliz…de não gozar no final.

O Brasil nunca teve tão próximo de um lugar ao sol, grandes avanços sociais e econômicos e o reconhecimento mundial, fez com que os dois principais eventos esportivo do mundo (Copa 2014 e Rio 2016) fossem feitos aqui, com tremendo sucesso. Provamos que somos melhores, muito melhores do que aqueles que nos depreciam, os vira-latas locais, a mídia sabuja, que jogou contra e uma elite que odeia o país.

Cadê o fracasso da Copa 2014? “Ah, mas futebol é fácil, quero ver o fiasco olímpico”, teve? Vai ter muita Zika nas Olimpíadas? “Terrorismo vai se aproveitar do nosso despreparo”? “A Violência do Rio de Janeiro vai afastar os atletas e os turistas”. “As Obras olímpicas estão inacabadas, causarão um vexame mundial”. A mobilidade será um caos, os aeroportos (de novo, na copa também prometiam) não funcionarão”.

Quantas pragas nos jornais e nas TVs, nos programas esportivos ou nas editorias de política nós assistimos? Quanto ódio ao Lula e a Dilma por ousarem trazer esses grandes eventos? Tudo isso para agourar a nossa capacidade de realizar, para jogar para baixo nossa estima e nosso valor. Perderam TODOS, mas principalmente, perdemos nós. Até quando Brasil?

Será que teremos uma autocrítica da mídia ou dos que tinham certeza do fracasso? Esperemos deitados, pois de pé, cansaremos.

Fizemos o melhor, quase o impossível e o improvável.

As inacreditáveis medalhas de Rafaela Silva, Robson Conceição, Isaquias Queiroz, Erlon Maicon Siqueira, Wu, Thiago Braz, Rafael Baby, Mayra, Arthur Zanetti, Nory, Diego Hipólito (que ressurreição), a vela, o vôlei de praia (masculino e feminino) e de quadra, o futebol masculino. As derrotas doídas das meninas do vôlei, do handebol e principalmente do futebol. As quase medalhas e avanços em esportes que não tínhamos nenhuma tradição.

O tremendo sucesso do Bolsa Atleta, Bolsa Pódio e dos atletas que foram levados às forças armadas como parte da estabilidade profissional, programa criado nos governos Lula e Dilma, tantas vezes criticados e hoje vistos como fundamentais ao desenvolvimento do esporte olímpico.

O que comentar da abertura e encerramento das Olimpíadas? Sem ufanismo, será lembrada como foi a inesquecível de Moscou, 1980. Que espetáculo, quanta brasilidade, de orgulho nacional, mesmo em momento tão crítico do país.

Hoje feliz demais com a enorme vitória de organizar uma Copa e Olimpíadas. Inacreditável esforço humano e o sucesso alcançado. Temos que cobrar as prestações de contas, o mau uso de dinheiro público, o legado prometido, tudo isso, sem esquecer nada, dos problemas sociais que não se acabam.

Mas hoje o meu Brasil está de alma lavada, foi dormir leve, sonhando com tudo de bom que podemos fazer.

Amanhã, estará triste pelo golpe de estado dado, nossa elite escravagista faz questão de nos devolver à realidade das trevas. Golpe de Estado, ataque a todos os direitos sociais e retrocesso de décadas. Enfim, olhar para frente e ser feliz, enfrentar um golpe de estado e a Ditadura do judiciário e o estado de Exceção avança contra todos nós.

Por fim, obrigado a Lula e a Dilma, a culpa é de vocês.

Hoje voei pela magia.