Recolhendo Histórias no Caminho

 

caminhos-diferentes

 

Quando tenho grandes dúvidas sobre se valeu a pena construir blog, por que o fiz, qual o resultado prático, as respostas vão vindo em algumas direções, assim como o próprio blog, que são caminhos e estradas de minha vida e de como enfrento determinadas questões filosóficas, políticas e emocionais. Enfim, o maior legado deste blog é ele ter existido e como tal ter levantado uma tese inovadora sobre a questão da Crise 2.0 e o Estado que ela engendrará – o Estado Gotham City. Portanto, só isto já justifica sua existência.

Os pequenos diálogos que abri aqui, os contatos riquíssimos, a troca de ideias, de impressões sobre a vida, sobre os rumos da política e do Brasil. O conjunto de elaborações foi fruto de minhas experiências de observação militante, leituras teóricas, mas fundamentalmente desta interação com leitores perspicazes, que inquiriam, não aceitavam respostas vagas ou escapes que são tantas vezes usadas. No fundo fui obrigado a pensar mais, a construir melhor ideias, formulações e passar para este espaço estes avanços teóricos.

Falta-me muito, muito mesmo, não posso ficar culpando o pouco tempo, ou as pequenas janelas de trabalho ou de casa, para escrever estes pequenos textos. Por mais que tente e que tenha melhorado alguns aspectos dos artigos, a forma de escrita, o combate aos recorrentes erros gramaticais continua, mas ainda muito longe de algo mais sólido e consistente, talvez seja meu limite, hoje, ou para sempre. A longa tradição oral, do discurso, dos debates, acabou cobrando alto, falar é bem mais fácil, escrever tem seus próprios mistérios, não sei se um dia descobrirei quais são.

Por outro lado, aqui encontrei uma série de caminhos novos de intenso prazer como comentar sobre filmes, músicas, livros, imagens. Tudo isto também acaba nos aproximar de uma formação humana mais completa e complexa, pois temos que reduzir a termo aquilo que ouvimos, vemos ou lemos. A tarefa é das mais prazerosas, o desafio é enorme e os resultados são maravilhosos, acaba servindo como bloco de notas, o que me lembra das antigas fichas de leitura do primeiro grau escolar. O que é melhor, sem compromisso algum, apenas curtir as anotações.

As mudanças que o blog passou nestes anos todos, de layout, forma e conteúdo, provavelmente serão maiores no futuro, ainda estou estudando o que farei em breve, como este canal vai se transformar. Por enquanto vou revendo o que foi feito, como as coisas aconteceram, aos poucos o futuro vai se tornar presente, e o que era, não existirá mais. Como na vida e na natureza, tudo se transforma e temos que estar preparados para estas mudanças, inclusive com a finitude das coisas.

Vamos nos divertindo, então.

Swedish House Mafia – Don’t You Worry Child (Khushnuma) – ft. Shweta Subram – ThePianoGuys

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

The Piano Guys II

ter dez 3 , 2013
Share this on WhatsApp Tem quase dois anos que trago para minha página as invencionices do The Piano Guys, pois, sem dúvida, gosto demais estas recriações de músicas aparentemente apenas comerciais, que ganham uma base diferente e tornam cada uma delas mais pulsantes e belas. Os artistas homenageados pela dupla […]
%d blogueiros gostam disto: