Uma Agenda para o Debate da Crise 2.0

 

Algumas ideias lançadas no Twitter buscando um debate concreto:

  • A Crise 2.0 é a maior desde 1929 entramos no 9º ano dela nos EUA, no 7º ano na Europa e no 3º ano nos BRICS. Qual é a saída? À Direita ou à Esquerda? Silêncio.
  •  A Crise 2.0 permanece na ordem do dia mundial. Em grande escala na UE, em espera no EUA e Japão. BRICS atingidos em menor proporção.
  • Claro que os ideólogos do Capital do Brasil se negam a debater a realidade. Aqui, na Esquerda, poucos entendem a dimensão da Crise 2.0. Difícil continuar o debate.
  • Nestes últimos dois anos publiquei mais de 300 artigos e um livro sobre a Crise 2.0 chamando ao debate, infelizmente parece que não é assunto “importante”.
  • O lado mais visível da Crise 2.0 é o desemprego massivo, agora o empobrecimento associado a ele, a queda vertiginosa na renda e bem estar social.
  • A resultante da Crise 2.0 será, na minha visão, um Estado Policial (que denomino de Estado Gotham City – ver Grampos nos EUA, Bem-vindos ao Estado Gotham City), com restrição de Direitos Fundamentais, liberdades individuais, em nome de uma segurança Estatal, que apenas o grande Capital desfruta.
  • O Capital(K) não morrerá de inanição ou qualquer outra coisa tragédia natural, mas tenderá a uma coesão neofascista, mistura de liberalismo econômico com repressão ampla e aberta, Estado de Exceção “Permanente”.
  • É nesta compreensão que enxergo nos BRICS, em especial no Brasil, os elementos de contradição a esta ordem de barbárie do Estado Gotham City. Com todas as diferenças e ritmos.
  • O Brasil caminho no fio da navalha, num frágil equilíbrio, em grandes contradições interna e externa. Limitado, por um lado pelo seu potencial econômico e pelo outro, a Crise 2.0.
  • O Brasil ao mesmo tempo em que tirou milhões da miséria, uma tarefa histórica, de resgate social, ainda não conseguiu virar o fio, parte pela formação do Capital extremante concentrado, por Estado com corrupção endêmica e noutra parte pela economia mundial paralizada e em mutação, para pior.
  • O Projeto do PT chegou ao seu limite, ou se reinventa, ou entregará o governo para as forças à Direita, que imediatamente se alinhará com o Estado Gotham City, jogando o país na barbárie, mais ou menos o que fez a Espanha, que teve um breve período que ascendeu, mas depois entrou numa espiral de queda vertiginosa.

 Cada tópico vale um longo debate, quando começaremos?

One thought on “Uma Agenda para o Debate da Crise 2.0”

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: