Uma Agenda para o Debate da Crise 2.0

 

Algumas ideias lançadas no Twitter buscando um debate concreto:

  • A Crise 2.0 é a maior desde 1929 entramos no 9º ano dela nos EUA, no 7º ano na Europa e no 3º ano nos BRICS. Qual é a saída? À Direita ou à Esquerda? Silêncio.
  •  A Crise 2.0 permanece na ordem do dia mundial. Em grande escala na UE, em espera no EUA e Japão. BRICS atingidos em menor proporção.
  • Claro que os ideólogos do Capital do Brasil se negam a debater a realidade. Aqui, na Esquerda, poucos entendem a dimensão da Crise 2.0. Difícil continuar o debate.
  • Nestes últimos dois anos publiquei mais de 300 artigos e um livro sobre a Crise 2.0 chamando ao debate, infelizmente parece que não é assunto “importante”.
  • O lado mais visível da Crise 2.0 é o desemprego massivo, agora o empobrecimento associado a ele, a queda vertiginosa na renda e bem estar social.
  • A resultante da Crise 2.0 será, na minha visão, um Estado Policial (que denomino de Estado Gotham City – ver Grampos nos EUA, Bem-vindos ao Estado Gotham City), com restrição de Direitos Fundamentais, liberdades individuais, em nome de uma segurança Estatal, que apenas o grande Capital desfruta.
  • O Capital(K) não morrerá de inanição ou qualquer outra coisa tragédia natural, mas tenderá a uma coesão neofascista, mistura de liberalismo econômico com repressão ampla e aberta, Estado de Exceção “Permanente”.
  • É nesta compreensão que enxergo nos BRICS, em especial no Brasil, os elementos de contradição a esta ordem de barbárie do Estado Gotham City. Com todas as diferenças e ritmos.
  • O Brasil caminho no fio da navalha, num frágil equilíbrio, em grandes contradições interna e externa. Limitado, por um lado pelo seu potencial econômico e pelo outro, a Crise 2.0.
  • O Brasil ao mesmo tempo em que tirou milhões da miséria, uma tarefa histórica, de resgate social, ainda não conseguiu virar o fio, parte pela formação do Capital extremante concentrado, por Estado com corrupção endêmica e noutra parte pela economia mundial paralizada e em mutação, para pior.
  • O Projeto do PT chegou ao seu limite, ou se reinventa, ou entregará o governo para as forças à Direita, que imediatamente se alinhará com o Estado Gotham City, jogando o país na barbárie, mais ou menos o que fez a Espanha, que teve um breve período que ascendeu, mas depois entrou numa espiral de queda vertiginosa.

 Cada tópico vale um longo debate, quando começaremos?

 Save as PDF

One thought on “Uma Agenda para o Debate da Crise 2.0”

Deixe uma resposta

Related Post

%d blogueiros gostam disto: