Celulares: Ontem, hoje e amanhã

“O que se ver, antes não era, e o que era, já não existe”(WS)

Pouco mais um ano escrevi um post em que debatia Teogonia x Tecnologia sobre nossa herança cultural ocidental e introduzindo o debate sobre Tecnologia,  numa tentativa de mostrar que as gerações dos antigos deuses(Apolo x Dionísio) estar muito presente na batalha Engenharia x Markenting. Neste novo post busco demonstrar a breve história da telefonia celular e suas implicações em nossas vidas.

Para que você usa o celular?


Todos nós usamos celulares, no Brasil o número de celulares no Brasil ultrapassou o número de habitantes, óbvio que muitos, me incluo nestes, possuem até 4 números consigo(meu caso tenho 1 Smartphone Vivo, 1 Celular da Tim e uma linha de Dados para uso no Galaxy Tab), claro que num uso explosivo e massivo há muitas reclamações sobre valores de contas, qualidade do serviço, promessas não cumprida e uma infinidade de outras mazelas. Abaixo os indicadores de Telecomunicações no Brasil.

Acessos(milhões)
Celulares 207,6 (Fev/11)
Fixos 42,0 (2010)
Banda Larga 13,8 (2010)
TV Assinatura 10,2 (Fev/11)

Particularmente estou satisfeito com o uso da tecnologia, pois tenho consciência do seu uso, seus limites, não comprei um Smartphone e uma linha de dados para o Galaxy Tab, esperando que a velocidade fosse a mesma de uma banda larga via cabo. O que me satisfaz é o uso imediato em qualquer lugar que esteja o fator velocidade, para mim, torna-se secundário, diante da facilidade de acesso sem precisar de cabos ou fios, a busca nos momentos em que não estou em casa ou escritório.

É verdade que as operadoras oferecem serviços que não têm como cumprir plenamente, propõem-se a ser alternativa à internet a cabo, mas a estabilidade e velocidade não serão iguais no atual estágio de desenvolvimento da Telefonia móvel. Detalhe, não é uma questão de ser no Brasil, é uma realidade mundial. No gráfico abaixo há uma evolução de Telefonia e seu futuro.(informações do excelente site http://www.teleco.com.br )

 

1G Sistemas analógicos como o AMPS.(1984 -EU e USA – No Brasil 1991)
2G Sistemas digitais como o GSM, CDMA (IS-95-A) ou TDMA IS-136. 

CDMA – 1995 -Coréia do Sul e EUA no Brasil 1997

GSM – 1992 Europa – No Brasil 1999

O GSM e o CDMA possuem extensões que permitem a oferta de serviços de dados por pacotes sem necessidade de estabelecimento de uma conexão (conexão permanente) a taxas de até 144 kbps. As principais são o GPRS e o EDGE para o GSM e o 1XRTT para o CDMA.

3G Sistemas celulares que oferecem serviços de dados por pacotes e taxas maiores que 256 kbps. Os principias sistemas são o WCDMA/HSPA e o CDMA EVDO.  Japão 2000,Europa 2003  – Brasil 2007
4G O LTE Advanced é a unica tecnologia aceita como 4G pela ITU. 

Este sistema possui menor custo com maiores taxas de dados, ele teve uma boa redução na latência, possui uma maior eficiência espectral com largura de banda de até 100MHz. Ele foi projetado para oferecer taxas de download de 100Mbps com o usuário em movimento e 1Gbps com o usuário parado. Ele possui também uma taxa de uplink de até 500Mbps.


 

As duas principais famílias de tecnologias do mundo são o GSM e o CDMA.

Origem GSM: Europa.Origem CDMA: EUA




Fonte: Teleco.com.br

 

 

 

“Navegar é preciso, viver não é preciso” (Fernando Pessoa)



Se observarmos os dados acima, em pouco menos de 20 anos saímos de sistemas de comunicações cheia de falhas, ruídos, quedas constantes, uso de voz exclusivamente, para sistemas mais complexos de comunicação rápida, que passou primeiro por envio de Mensagens de Textos, depois pequenos Browsers de acesso a portais e bancos, chegando a poderosos aparelhos hoje, capazes de  indicar rotas(GPS), acessar internet, ouvir música, ver TV e até usar para fazer chamadas de vídeo ou voz. Os novos aparelhos que trazem consigo as redes sociais como centro de suas atividades, os terminais sofisticados objeto de desejos como Iphone, Ipad da linha Apple ou a avalanche dos terminais que usam sistema Android do Google tais como Galaxy S e Tab, X10 – hoje o sistema operacional mais usando em smartphones.

Claro que sou entusiasta da tecnologia, ela aproxima as pessoas, reduz as diferenças, tem potencial imenso na universalização do conhecimento, combate o analfabetismo digital. Facilita a vida e modo de vida do cidadão, regiões que jamais seriam atendidas passam a ter contato mais direto, levando educação, saúde. Claro que a telefonia é um negócio obedecendo as “regras de mercado”, as prioridades das empresas privadas, daí a necessidade do Governo ter meios reguladores fortes para fiscalizar, cobrar, multar, exigir que as metas de atendimento e de qualidade do serviço sejam prestadas pelas operadoras pois elas são concessão pública de serviço.

Para além de tudo isto há uma guerra por padrões e imposição de novas tecnologias, cada dia mais descartáveis, uma corrida muitas vezes irracionais, em busca de novos conceitos e parâmetros técnicos, li um artigo de um amigo sobre as evoluções tecnológicas no mundo, em apenas duas páginas ele linkou 45 artigos de suporte.

Pergunto-me, por fim, qual o limite tecnológico? onde vamos chegar, o HOMEM, é o centro de todas estas buscas ou apenas o mercado? o consumo consciente, a produção de imenso lixo tecnológico para onde irá? Velocidade de acesso incríveis são conseguidas, mas servirá para que mesmo? São dúvidas sem respostas

0 thoughts on “Celulares: Ontem, hoje e amanhã”

  1. Isto aí >> a Maravilha de tecnologia, Adooooro.

    “… a produção de imenso lixo tecnológico para onde irá? Velocidade de acesso incríveis são conseguidas, mas servirá para que mesmo? São dúvidas sem respostas.”

    Muito boa matéria. Obrigada. Abraços.

  2. Em 1844 Marx e Engels escreveram que isso aconteceria.

    Veja em, “A Ideologia Alemã”:

    No capítulo 6.

    A concorrência isola os indivíduos uns contra os outros, não apenas os burgueses mas ainda mais os proletários, e isto a despeito de os aproximar. Daí que demore muito tempo até que estes indivíduos se possam unir, para não referir o facto de que os meios necessários para esta união a fim de não ser meramente local —, as grandes cidades industriais e as comunicações baratas e rápidas, têm primeiro de ser estabelecidos pela grande indústria, e por isso só ao cabo de longas lutas se consegue vencer todo o poder organizado contraposto a estes indivíduos isolados que vivem no seio de relações que diariamente reproduzem o isolamento. Reclamar o contrário seria o mesmo que reclamar a não existência de concorrência nesta época histórica determinada, ou que os indivíduos banissem da cabeça relações sobre as quais, enquanto isolados, não têm nenhum controle.

    http://jesusdivino.zip.net/arch2010-08-01_2010-08-31.html#2010_08-22_11_15_15-148685374-0

  3. Caro Arnobio … ontem mesmo estava conversando com um amigo do Maracanaú que tem muita dificuldade de entender e aceitar que a juventude fique praticamente colada em computadores e celulares… é o ambiente delas … Como professor, sinto-me cada vez mais desafiado a melhorar minha aula, porque se não o fizer, perco a minha ‘audiência’ pro computador que fica na frente dos alunos…

    Tecnologia, junte-se a ela, ou fique para tras… :)

    Um grande abraço.

    P.S.: Se eu fosse ariano diria: quero o 4G, e quero AGORA…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: