Arnobio Rocha Reflexões Ideias sem textos

2421: Ideias sem textos


De onde vier a inspiração, vale a pena escrever.

Anda, vem jantar, vem comer, vem beber
Farrear até chegar a Lumiar
E depois deitar no sereno
Só pra poder dormir e sonhar
E passar a noite caçando sapo
Contando caso de como deve ser Lumiar
(Lumiar – Ronaldo Bastos e Beto Guedes)

Toda vez que escrevo, tanho a sensação de que conto a mesma história, apenas com versões diferentes, algumas vezes são iguais, sem medo de que quem leu, já saiba, mas para que lê pela primeira vez, logo se familiariza com e última versão e assim segue, sabe-se lá por quanto tempo, talvez o meu cansaço e a falta de vontade de continuar.

Pouco importa se vamos falar de Política, Economia, Livros, Mitologia, Filmes, Esportes, Reflexões, há uma lógica, um roteiro comum, nada que não feche com o que penso e reflito, nada de surpresas e algo fora do normal, sem competição com ninguém, ou que vá “causar”, é uma forma de apenas expulsar os meus pensamentos, o que a vida me deu ou que busquei.

Algumas vezes disse como é o meu método de escrever, Em geral, são as ideias que aparecem em flashes, que explodem, tudo de uma vez, ilumina tudo, em qualquer lugar em que esteja, aquilo martela e sinto que devo escrever. Isso era um problema há 15, 10 anos atrás, as telas dos celulares não eram propícias, hoje, escrevo para mim mesmo, no whats app, às vezes publico sem formatação no blog, para depois “arrumar”, noutras, pego as anotações e passo para esse espaço quem tenho há quase 15 anos.

É um filme que vi, talvez um jogador, um jogo, uma paisagem, uma cena, uma música, ou um tema qualquer, talvez umas questões políticas, muitas vezes, minhas raivas com tudo, especialmente comigo mesmo, um desabafo em voz alta, que vira um texto. É aquilo que pode ser  uma perspectiva, uma resposta para provocações, não sei por quê? Ou mesmo apenas para não perder o raciocínio, nada que leve mais de 10 minutos, o que penso vira texto, ou esqueço, apago da mente, sendo bom ou ruim, pouco importa.

Isso me lembra redação na escola, só que aqui nem sempre tem um tema, ele surge ao teclar, ou quando vem um pensamento que precisa ser transposto, alguém lerá? F..se, vale para mim, então valeu.

Estender o sol na varanda até queimarSó pra não ter mais nada a perderPra perder o medoMudar de céu, mudar de arClarear de vez Lumiar

 Save as PDF

Deixe uma resposta

Related Post

1435: 3/41435: 3/4

Share this on WhatsApp   “Espíritos, que por artes minhas, Chamei dos seus refúgios para darem vida Às minhas fantasias”. (A Tempestade – W. Shakespeare) Quanto nos doamos a qualquer