Reverência


Dois gigantes de uma época, os reverencio desde cedo.

Por uma coincidência temporal, viver no mesmo espaço ou eventualmente encontrar, por absoluto acaso com grandes figuras de um época, é uma sorte única, para si, e algo corriqueiro para elas, a nós, nos toca profundamente, é razão para dividir com amigos, com conhecidos, quase uma conquista incrível, algumas são efetivamente inesquecíveis.

Estive no mesmo espaço com alguns personagens que são/eram referências para mim, nos mais diversos campos, por timidez ou orgulho, tentei ser indiferente, encarar como natural, talvez tenha perdido a chance de dizer a eles que os admirava, quem sabe repetir os chavões que eles estão cansados de ouvir, em suas trajetórias, como sempre acontece.

É meio desconcertante, muitas vezes paralisante, confesso, apenas olho e registro, muitas vez me arrependo de nada ter dito, ainda, repito, que para eles seja completamente indiferente quem seja o interlocutor, provável que jamais os veria de novo. São essas as circunstâncias mais constrangedoras que vivemos, ou não, pode ser um acontecimento maravilhoso.

Outra coisa que não faço, é fotografar ou sair em fotos, com figuras públicas, não vejo menor sentido, é uma intimidade inexistente, estranha, pode ser uma glória o registro, para mim, apenas um registro na maioria das vezes, sem nenhuma espontaneidade, um ato político, um marketing necessário da figura pública, prefiro apenas olhar, cumprimentar, se for o caso, ou não.

Sei lá porque, tive um estalo que não ficaria mais indiferente de alguém que admire muito, independente se serão por breves segundos, ou por algum momento maior, lhes direi o quanto significam para minha vida e como contribuíram para ser o que sou, mas sem forçar qualquer proximidade, que não existiria normalmente.

Outro dia, numa manifestação, encontrei Antônio Nóbrega, um amigo comum o abraçou e nos apresentou, não me fiz de rogado, abaixei-me, toquei seu pé, e o reverenciei, depois lhe disse: muito obrigado, por tudo o que o senhor representa para cultura brasileiro. Ele riu, deu um abraço caloroso, surpreso pelo gesto, lhe disse que na Índia,  tocar o pé é um sinal de grande respeito e admiração.

Somos o que somos, não precisamos de ídolos, adoração, eventualmente admirar e reverenciar algumas figuras, que não são as que estão em nossos cotidianos, aquelas que dão sentindo as nossas vidas.

 Save as PDF

Deixe uma resposta

Related Post

Uma SupermãeUma Supermãe

Share this on WhatsApp    Hoje dia das mães, as minhas meninas surpreenderam a mãe. Elas  acordaram mais cedo e fizeram cupcake sozinhas, leram as instruções e prepararam, realmente uma

%d blogueiros gostam disto: