Na Natureza Selvagem – O Perdão.

3

Estamos sós, mesmo no meio de milhões.

 

“A Felicidade só é real quando compartilhada”  (Jon Krakauer apud  Christopher McCandless – Into the Wild)

 

Estava procurando escrever sobre o perdão e o não perdão, que nos persegue por toda nossa vida, formalmente perdoamos a tudo e a todos, porém, intimamente, não nos deixamos experimentar o sentimento libertador do perdão, convivemos com a dor e amargura pela existência, sem jamais nos darmos chances de viver outro momento, as chagas continuam abertas, mesmo que não sangrem, mas a sensação destes terríveis buracos está ali perene. A dor é da alma, o corpo já não percebe, se acostumou.

Ontem vi um lindo e dolorido filme, “Na Natureza Selvagem” (Into the Wild), de 2007, dirigido e roteirizado por Sean Penn, que espetáculo de direção, baseado num livro de Jon Krakauer feito dos relatos do andarilho Christopher McCandless. A obra trata justamente deste sentimento, o Perdão, ou o não perdão, com que fez o jovem Christopher a romper com a sociedade, a hipocrisia das relações familiares e sociais, da sociedade do consumo e dos valores mesquinhos, uma ruptura radical e a busca de si mesmo.

A fuga de tudo e de todos procurando o isolamento absoluto, sem qualquer relação duradoura, perene, de uma alma atormentada. Os erros e a brutalidade de uma vida marcada por traumas familiares e a incapacidade de encontrar o amor nestas relações, apenas se enxergando ódio e culpas. Ali, como aqui, vivemos esta metáfora de se abstrair, sumir, só ou acompanhado, em casa ou na rua, na multidão ou no deserto, nada disto faz diferença, a natureza selvagem ou a civilização selvagem, os caminhos e os desvios serão os mesmos. Tanta uma situação, quanto à outra, a alienação de si é a mesma.

A radicalização dos sentimentos nos leva à completa escuridão, mesmo que se acendam velas, luzes ou faróis, não conseguimos enxergar um centímetro à nossa frente. A nossa relação hostil com o mundo, de multidões ou de ausência de gente, será duramente punida, não existe volta, ou ponto de retorno, se queimamos todas as pontes e os sentimentos. Só perceberemos a inutilidade destas sensações que nos oprime quando é tarde demais, aí acordamos e veremos cruelmente que não existe felicidade ou momento feliz sem que seja compartilhado.

O mais complexo é que buscamos com tanto desejo e ardor o isolamento, sem nenhum contato humano, descobrimos, muitas vezes tardiamente, que a vida só tem sentido quando interagimos com os outros, que faz parte de nossa natureza a convivência, mesmo a mais complicada. Voltamos ao ponto, sem perdoarmos a nós mesmos, jamais perdoaremos a qualquer outro.

A grande mudança começa conosco, não no outro. E nosso maior medo é mudar, qualquer que seja a mudança nos assusta, mas sem ela, nada fazemos nada somos.

“Há um tal prazer nos boques inexplorados;
Há uma tal beleza na solitária praia;
Há uma sociedade que ninguém invade,
Perto do mar profundo e da música do sue bramir;
Nào que ame menos o homem, mas amo mais a Natureza”…
(Lord Byron) 
Imagem de Amostra do You Tube

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

3 thoughts on “Na Natureza Selvagem – O Perdão.

  1. Dio Santo! Preciso assistir, preciso ler, é a obra de uma vida inteira, chave de ouro com que o Mestre fechou o Livro de Sua História, na suposta Cruz onde teria sido crucificado. É a chave da grande sabedoria, o elixir da saúde e da longevidade, o maná, o manjar dos deuses.

Deixe uma resposta

Next Post

Caminhos

seg jul 15 , 2013
Share this on WhatsApp     Eu amei cada lugar em que passei, não sei o motivo, mas eu sei que passei e se lá estive deve ter tido uma razão, são praias, montanhas, campos e cidades, povoados, cidade, metrópole e megalopes, todas com encantos e desencantos, com encontros e […]
%d blogueiros gostam disto: