As Sequelas Psicológicas da Pandemia

Os efeitos psicológicos da pandemia podem ser maiores do que a própria pandemia.

A minha alucinação é suportar o dia-a-dia,
E meu delírio é a experiência com coisas reais
(Alucinação – Belchior)

Os efeitos psicológicos da pandemia podem ser maiores do que da própria pandemia, inclusive na quantidade de mortes advindas deles.

As mortes por Covid-19, ainda que subnotificadas no Brasil e no mundo, são possíveis de se mensurar, os números explosivos, que cresceram assustadoramente em pelo menos duas ondas fatais. Agora se corre contra o tempo para uma vacinação e imunização imediata, frear um pouco dessa carnificina que choca a humanidade e tornou em tormento o dia a dia.

E as Sequelas sociais, físicas e psicológicas, como dimensionar?

A desagregação social é ainda incerta e só uma combinação de números de desemprego, subemprego, renda, miséria, fome, ampliação de periferias, as ocupações em áreas cada vez mais perigosas e em condições insalubres. A perda de espaços urbanos e de cidadania.

A longo prazo poderá se constatar que a Pandemia serviu como remédio, cruel, para que o Capitalismo prolongue seu poder e força sobre a humanidade, com o aumento do fosso social e econômico, que ameaça fazer desaparecer a classe média, os empregos formais, as políticas públicas inclusivas, o fim da previdência e aposentadorias aviltantes, com a obrigação de trabalho quase escravo para velhice, por subsistência.

Na outra ponta, uma casta de trilionários e bilionários, donos de tudo e de todos, com suas as imensas corporações comandadas por um punhado de bancos e senhores do Kapital.  É fácil saber que em apenas um ano de Pandemia a transferência de rendas, uma transfusão de sangue, dos mais pobres para os mais ricos. foi gigantesta e é um escarnio, não só do ponto de vista econômico, mas de ética e moral.

Ora, se é provável que se saiba os mortos diretamente ligados à doenças e seus efeitos físicos, como entende a dimensão da tragédia humana do ponto de vista psicológico?

Diante das condições de aprofundamento da miséria e do desemprego, de perda de sonhos, das possibilidades de vida digna e com alguma segurança econômica e de futuro, dão um panorama da confusão mental que paira sobre as cabeças da maioria da população do mundo.

A sensação de que se pode até  escapar do COVID-19, entretanto, não se tem certeza de como seguirá a vida  do ponto de vista material, o que faz aumentar o desespero e as dores físicas e psicológicas. Nesse sentido, é perceptível perceber o comportamento errático de milhares de pessoas que negam a doença, negam os valores elementares civilizatórios, as leis da ciência e da natureza.

Mesmo os que resistem à negação, também são fortemente atingidos pelas perdas, pela desesperança e pela impotência de não se saber como reagir, especialmente quando submetidos aos governos despóticos que usam a Pandemia para destruir o Estado e a Economia, como é o caso Brasil.

As múltiplas dores se amplificam e se somatizam transformando-se em novas doenças, até mais graves, que só o tempo dirá o tamanho do rombo causado a humanidade. Infelizmente não está fácil se manter de pé, é preciso resistir e lutar, primeiro contra nossas próprias dores, depois como nos organizar, coletivamente, nessa situação de isolamento, para enfrentar o mal naturalizado.

Não é pouca coisa.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

28 Meses e sempre será hoje

qui mar 18 , 2021
Share this on WhatsApp Print 🖨 PDF 📄 eBook 📱   Yo te llevo dentro, hasta la raíz Y por más que crezca, vas a estar aquí (Hasta la Raiz – Natalia Lafourcade)   Por mais que tente não pensar e lembrar de Letícia no dia a dia, em algum […]
%d blogueiros gostam disto: