O Diabo de Cada Dia

O filme não faz concessão a nada, é forte do início ao fim

Um clássico se reconhece quando ele causa estranheza, quando se lê um livro, ou se assiste a uma peça, um filme, e vem aquela sensação de que levou um soco na barriga, que te causou um tremendo incômodo, de tão forte a avassalador que foi o contato com algo realmente especial.

O Diabo de Cada Dia (The Devil All the Time – Netflix) é exatamente assim, um filme denso, seco, que não dá nenhuma chance de esperar algo que não seja um desfecho cruel de cada relação (des)humana ali, nada é gratuito, sóbrio ou ameno, apenas dor e sofrimento

  1. O ambiente é carregado e vai se desenrolando numa tragédia sem fim, familiar, e mesmo acontece com as  estórias paralelas que se cruzam. O que nos remete às maldições das famílias gregas, os labdacidas, os atridas, quem sabe nos traga as carnificinas de Macbeth, de tantas mortes e dor.

O fio condutor é a fé cega, há uma crença forte  que é posta à prova a todo instante, e a resposta de fé é a violência, o sentimento mais primitivo e da natureza, quer seja humana ou animal.

O deus que cria é o mesmo que conduz à morte, o perdão é encontrado no morrer, ou, por outro lado, é quase um pecado viver, pois o pecado é o diabo todo os dias. Como lembra o Reverendo Preston, interpretado pelo canastrão Robert Parttinson em ótimo trabalho, de que até Jesus foi tentado no deserto, antes dele, Eva no paraíso, Noé pelado tomando vinho e alvo dos risos, os adoradores do bezerro de ouro, tudo é pecado.

O fim da segunda guerra no Pacífico ou na Europa acabou, e os homens voltam para aquele EUA interiorano, moralista e religioso, ao mesmo tempo corrupto, cruel e infame,  que os recebe sem saber o que realmente se passava no “mundo”, pois ali é o mundo, um local próprio, com leis e costumes locais,

A universalidade da estória, outra característica de um clássico, é que ela poderia se passar no Brasil, na Argentina, no México, na Albânia, a síntese humana, sua incapacidade de romper com um ciclo de violência, até a última vítima, como se fosse uma jornada, uma iniciação.

Tom Holland, o atual “homem aranha” demonstrou ser um ótimo ator, excelente adaptação e direção de Antonio e Paulo Campos, que são filhos do jornalista brasileiro Lucas Mendes, que nasceram nos EUA.

Um grande filme, que junto com “O Poço”, até agora os melhores do ano, de pandemia, dessa realidade estranha.

Imperdível.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

A Hiperconectividade e a Libertação Humana

qui set 24 , 2020
Share this on WhatsApp   “Eu vi coisas que vocês não imaginariam. Naves de ataque em chamas ao largo de Órion. Eu vi raios-c brilharem na escuridão próximos ao Portal de Tannhäuser. Todos esses momentos se perderão no tempo, como lágrimas na chuva. Hora de morrer.” (Blade Runner  – Lágrimas […]

You May Like

%d blogueiros gostam disto: