#MaisMédicos – A Agressão Aos Médicos Estrangeiros.

Médicos Estrangeiros sendo hostilizados por médicos em Fortaleza foto: Jarbas Oliveira-26.ago.13/Folhapress
Médicos Estrangeiros sendo hostilizados por médicos em Fortaleza foto: Jarbas Oliveira-26.ago.13/Folhapress

Este espetáculo de horrores dos médicos e futuros médicos cearenses calou fundo na minha alma. Senti vergonha de mim mesmo, de ter lutado pouco, de ter feito pouco. A sensação é de derrota, profunda tristeza. Para coroar a “jornalista” de Natal escreve aquelas barbaridades como se contasse uma piada banal, algo tão comum, entre racistas que educadamente escondem seus malditos preconceitos, mas num “vacilo” acabam revelando a face do ódio, da feiura da alma.

Já passei por poucas e boas em São Paulo por ser nordestino, cearense, mas mantive minha altivez, olhando as ações com indiferença e pena, tendo a certeza de que eles eram apenas pobres de espírito, portanto não me abalava. Mas quando a fossa se abriu na minha casa, meu lugar, me mortifiquei. Inacreditável e inaceitável, por alguns instantes, cheguei a pensar em desistir da humanidade, apenas chorei no meu canto, me restabeleci e volto mais forte.

Os fascistas não passarão, o mundo é melhor que eles, minha terra é melhor do que estas ações cretinas. Vamos em frente.

Estas bestas que foram hostilizar médicos cubanos na minha sofrida terra, jamais saberão a razão de sermos conhecidos como “terra da luz”. Estes ignorantes pensarão ser alusão ao constante sol que nos ilumina e nos queima o ano todo. Deveriam saber que tal alcunha honrosa se deu por ter sido o nosso Ceará a primeira província a libertar seus escravos. A rica história de nossa terra foi manchada por estúpidos, que não tem ideia do heroísmo de Francisco José do nascimento, o Dragão do Mar, que, em 1881, liderou os jangadeiros e proibiu a embarcação de qualquer escravo. Dois anos depois Acarape, hoje Redenção, libertou 300 escravos. Um ano depois a província decretou a liberdade de 30 mil homens e mulheres.

Mas somos surpreendidos pelos filhos da elite local, que bradando contra os médicos que vêm cumprir a missão humana que estes mesmos calhordas se negaram a fazer. Envergonhando o glorioso passado cearense, em primeiro lugar, o Brasil como um todo. Que nossa história não seja sujada pelos interesses mesquinhos de uma elite burra e egoísta.

Que a memória heroica do Dragão do Mar seja respeitada e honrada.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

1989 – Um Ano que Não se Fechou (II) - Visão Militante

qua ago 28 , 2013
Share this on WhatsApp Comecei uma série de resgate histórico sobre 1989(1989 – Um Ano que Não se Fechou (I) ), o ano que não acabou, ainda não chegamos à meia noite do dia 31/12/1989, no final do post inicial exortei os amigos para que contassem o que fizeram naquele ano […]
%d blogueiros gostam disto: