Cinza – A Revolta da Natureza contra a Barbárie.

A Resposta da Natureza é tornar mais cinza a paisagem.

“Pois mataram índio que matou grileiro que matou posseiro
Disse um castanheiro para um seringueiro que um estrangeiro
Roubou seu lugar”
(Saga da Amazônia – Vital Farias)

A primavera chegou em volta de uma nuvem cinza, inspirada no desastroso discurso do presidente na ONU. O céu se envergonha e chora. Nada lembra que entramos na primavera em São Paulo.

Aliás, a revolta do clima é a melhor resposta ao país que mergulhou na barbárie generalizada, a maior delas, a barbárie intelectual, ou melhor, o desprezo à inteligência e à civilidade. A afronta aos povos originários do Brasil, com o aviso que irá explorar e tomar o restante de suas terras, criminalizando e nomeando Raoni como se fosse culpado por qualquer coisa.

O avanço do obscurantismo é avassalador, os ventos das primaveras da direita tomou conta do cenário mundial, com atraso aportou no Brasil, em 2013, encontrou um campo fértil e floresceu, dando seus piores frutos em 2018.

O país retrocedeu década no cenário mundial, o discurso na ONU foi a apresentação ao mundo que o Brasil mergulhou nas trevas. Valores medievais, de completo desprezo pela civilização, pelos Direitos Humanos, se impuseram.

A conivência com a destruição da natureza, o desrespeito à diversidade cultural, religiosa, sexual e racial são as marcas que ficarão por anos e décadas.

A natureza responde com força, pois sente que as respostas racionais, dos homens e mulheres, vão demorar a chegar, e ela, a natureza, tem pressa, não aceita a destruição aberta, em nome de um punhado de pilhadores, ávidos por riquezas.

A juventude punida com um sinistro da (des) educação percebe que o problema não é o hoje, mas o porvir, toda a força da barbárie está no seu poder destruidor, no desprezo aos valore humanos, então, a Educação e a ciência, são vítimas preferenciais.

As mulheres sentem o tamanho do caos, apenas nos seis primeiros meses do ano, 226 feminicidios em São Paulo, o triplo do mesmo período do ano de 2018. Tudo está permitido, o machismo assassino foi liberado contra as que nasceram de uma “franquejada”. Dória Jr, o aliado de primeira hora, é mais que conivente nesse caos, fazendo par com a histriônica Damares.

A situação do Rio de Janeiro, com a polícia recebendo a ordem inequívoca para matar, dita e repetida, por Wilson Witzel (ou seria Frisk), o Bolsonaro local, levou à incrível marca de 1250 assassinatos por forças policiais, em 8 meses, não poupando crianças, adolescentes, quase todos negros e negras, pobres, um genocídio e nenhum respeito à humanidade, constituindo um claro crime contra a Humanidade.

Impossível a natureza sorrir e oferecer flores de primavera diante do profundo desprezo aos Direitos Humanos, à vida, a disjuntiva, civilização ou barbárie, pende para a segunda.

Triste quadrada.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

A Lorota de Janot - O Faroeste Caboclo.

sex set 27 , 2019
Share this on WhatsApp O Brasil entrou no modo piloto automático de escândalos, os quinze minutos de fama se reduziram para quinze segundos, não se dá conta de tantas extravagâncias, em produção em série. Quando se assimila um golpe, vem um mais forte e é um ciclo vicioso, que destrói […]
%d blogueiros gostam disto: