1

      Infelizmente não podemos encarar como normal a “história” de que aquele cidadão “civilizado” saiu dos seus domínios, já destruído, desembarcou nestas paradas e virou o “dono” de tudo. O encontro romantizado de troca de espelhos por cocar e depois por todo o resto, não podemos engolir mais. […]