Lendo a Ilíada (Olavo Bilac)   Ei-lo, o poema de assombros, céu cortadoDe relâmpagos, onde a alma potenteDe Homero vive, e vive eternizadoO espantoso poder da argiva gente. Arde Tróia… De rastos passa atadoO herói ao carro do rival, e, ardente,Bate o sol sobre um mar ilimitadoDe […]