Amanheci ouvindo velhas canções clássicas, em interpretações espetaculares, Unchained Melody e How Can You Mend a Broken Heart, com Al Green, Changes, com Charles Brandley e I’d Rather Go Blind, com Etta James, as potentes vozes negras,  jazz, soul music e a capacidade inventiva de recriar, improvisar, dão mais emoção […]

Nas últimas semanas tenho assistido umas séries finlandesas (Deadwind, Bordertown), islandesa (O Assassino de Valhalla), polonesa (Ultravioleta) e uma inglesa (Collateral). Exceto a última, idioma que tenho algum conhecimento, as demais o que me atraiu, além da qualidade, os exóticos idiomas, a diferença de sonoridade, que não lembra em nada […]

Essa noite vi um grandioso filme, “Um homem de Sorte” (Lykke – Per) (Netflix), de Bille August, que retrata a Dinamarca do século XIX, rural, pobre e atrasada. Imediatamente me veio uma série de questionamentos sobre mim mesmo, minha trajetória, meus conflitos, minha personalidade errática, orgulho e vaidade, as conquistas […]

“O que importa é que sem a ver o acrediteis, confesseis, afirmeis, jureis e defendais; quando não, entrareis comigo em batalha, gente descomunal e soberba” (D.Quixote – Miguel de Cervantes) É uma poesia e uma metáfora. Os níveis da consciência e do inconsciente que se cruzam numa moral cristã e […]

“Sonhos e fantasias, quando se tornam realidade, são decepcionantes” (Amos Oz) Vi dois filmes lindos, Desobediência e De Amor e Trevas, com temática e ambientado na comunidade judaica, o uso do hebraico, uma língua de uma sonoridade estranha e bela, os cantos, as lamentações, uma mistura de dor e elevação, […]

“Nobody writes about anything but themselves” (Animais Noturnos) O filme, Animais Noturnos, é uma porrada, um soco no estômago, todo estranhamento o torna imenso, a reflexão é doída, sem se saber como iniciar a falar sobre o que se viu. A primeira cena é uma performance de uma exposição de […]

“Para quem quer se soltar invento o cais Invento mais que a solidão me dá Invento lua nova a clarear Invento o amor e sei a dor de encontrar” (Cais – Milton Nascimento e Ronaldo Bastos) A voz que desafia a lógica, que nos põe em dúvida da existência de […]

  O Monstro que nos habita, não se mostra, mas pode ter aparência mais assustadora Realmente não é fácil dormir depois de assistir ao grande filme, A Forma da Água (The Shape of Water). Bem, talvez o mundo não queira saber de sentimentalismo, principalmente não queira saber do “diferente”, dos […]

“Realmente, os demônios gostam das torpes cenas que ao pudor desagradam” (A Cidade de Deus, Santo Agostinho) Na metade dos anos de 1980, o cineasta canadense, Denys Arcand, fez um filme espetacular, “O declínio do Império Americano”, com profunda discussão filosófica sobre aqueles anos de influência do Reagan-Thatcher, guerra fria. […]

2

As luzes do cinema se apagam e explode o som The House of the Rising Sun, versão de The Animal, imediatamente fui arremessado aos anos de 1970, por alguns segundos fiquei hipnotizado, quase sem piscar, impossível não me emocionar com a abertura de Esquadrão Suicida (Suicide Squad), falou alto o ambiente […]

4

“Decidi,viver agora Desde que pensei em mim Quase tudo mudou’ ( Lamento – Tim Maia) Li o livro do Nelson Motta, “Vale Tudo”, sobre o Tim Maia, quase uma obrigação de fã, mesmo desconfiado da credibilidade do colunista, compositor e produtor, agora escritor de biografia, mas a sede de conhecer […]

2

Em janeiro de 2014, estava num churrasco na casa de uns amigos, quando começou um acalorado debate sobre o tal julgamento do “mensalão”, de repente me vi encurralado, seis contra mim, um deles exaltado quase a partir para o confronto físico, apenas porque disse que todos eles mereciam o direito […]