As Lições Eleitorais de Um Processo Contraditório, Sem Vitória ou Derrota!

1

 

A recomposição da Esquerda, ainda passa pelo PT, não há como isolá-lo e vencer a Direita.

“Agora com rijo espírito e prudente vontade
defenderemos vosso poder na luta terrível
combatendo os Titãs na violenta batalha”
(Teogonia – Hesíodo)

Localizar no tempo e no espaço, é a chave para entender os resultados de 2020.

Toda a onda negação da Democracia e criminalização da Política, especialmente do PT, trouxe novos atores políticos, que repudiavam a política, fazendo política. Em 2018, encontrou em Bolsonaro o seu símbolo, o espelho ideal, um “político” que vive de Política, negando que seja político, o que amplificou o repúdio de toda prática de alianças e de costuras eleitorais, como a raiz da corrupção, sua bandeira, para atacar o Estado.

O mundo real cuidou de responder que não há como negar a política, pode se tentar restringir, criminalizar, usar de métodos de exceção como regra, mas não é como algo definitivo. Em pouco mais de um ano, o próprio Bolsonaro procurou e entregou seu governo, sua sobrevivência, ao Centrão (a Direita que não ousa dizer o nome), que por décadas é um o fiador de certa estabilidade política num país continental e desigual em todos os aspectos.

As eleições de 2020, a despeito da pandemia, já seriam marcadas pela grave crise econômica, que assola o país teve seu início na crise política com a reeleição de 2014, Dilma foi inviabilizada de governar até sua queda final.

O Golpe de 2016 jogou o Brasil numa agenda destruidora de direitos sociais, previdenciários e trabalhistas, com Bolsonaro essa pauta se aprofundou atacando as condições de vida e os direitos humanos elementares, o meio ambiente e credibilidade internacional.

A derrota da Esquerda, em particular do PT, em 2016, com o golpe e o recuo eleitoral, depois a prisão do ex-presidente Lula, o que o impediu de se candidatar em 2018, em que aparecia como favorito, mesmo assim, a candidatura de Haddad, foi ao segundo turno e teve 46% dos votos, o que demonstra que a Direita não teve força para esmagar a Esquerda, como era o que tentava.

O resultado eleitoral teve um grande mérito: Enterrou a onda neofascista de negação categórica da Política, ao que pese que o Centrão (leia-se, Direita envergonhada) teve a maioria de votos e vitórias em grande parte das prefeituras pelo Brasil.

O PT continua como o maior partido de Esquerda do Brasil e com densidade nacional e votos e presença em boa parte dos municípios, mesmo recuando na quantidade de prefeitos e vereadores eleitos, teve uma significativa vitória, que foi um pequeno incremento de votos totais nacionais, mesmo sem coligações que teve em 2016, o que será fundamental nas eleições de 2022 de caráter geral.

Ao mesmo tempo, os partidos aliados preferenciais do PT: PC do B, PSB e PDT, tiveram forte recuo na quantidade votos, ainda que tenham aumentado o número de prefeitos, exceto o PC do B, mas pode vencer uma importante capital, Porto Alegre. O que significa que a aliança é fundamental para todas as forças de Centro-esquerda.

Cumpre destacar o avanço do PSOL nessas eleições, como parte da recomposição de um bloco de esquerda, representando o espectro da esquerda ideológica. Trouxe para o debate a incorporação das pautas identitárias como centro de sua atuação e deu voz às mulheres, aos negros e negras e ao movimento LGBTQI+, com eleições de vereadores em grandes cidades e com esse perfil.

A maior vitória do PSOL é a ida de Boulos ao segundo turno em São Paulo, com 20% do votos, sua campanha conquistou, desde o inicio, o apoio de parte significativa de militantes petistas e figuras públicas identificadas ao PT, que aderiram a candidatura de Boulos, não necessariamente ao PSOL, como demonstra a votação para câmara municipal foi de apenas 41% dos votos majoritários.

A tarefa é começar a formalizar esse Bloco de Esquerda, nesse segundo turno é a maior oportunidade unir e reunir lideres e partidos, a militância política é fundamental.

A maneira mais inteligente será chamar prévias de um bloco de Esquerda e progressista.  Coisa para começar em maio de 2021, prévias em março de 2022. Com programa e candidatos. Isso mobiliza, cria referência, saímos da disputa entre partidos e demonstra para sociedade a disposição de RECONSTRUÇÃO do Brasil , Estado e Nação.

É o tortuoso caminho, mas não há outro.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

One thought on “As Lições Eleitorais de Um Processo Contraditório, Sem Vitória ou Derrota!

Deixe uma resposta

Next Post

Boulos x Covas: Civilização versus Barbárie.

ter nov 24 , 2020
Share this on WhatsApp A disputa entre Guilherme Boulos (PSOL) e Bruno Covas representa não apenas uma disputa episódica, meramente eleitoral, o que está em jogo é a Destruição Contínua da maior e mais rica, e injusta, cidade do Brasil. É uma questão de civilização, direitos humanos, sociais, que resistem […]
%d blogueiros gostam disto: