O Dia Depois do Coronavírus!

1
Um mundo novo emergirá do Caos

“Que é a vida? Um frenesi.
Que é a vida? Uma ilusão,
uma sombra, uma ficção;
o maior bem é tristonho,
porque toda A vida é sonho,
e os sonhos, sonhos são”.
(A Vida É Sonho, Pedro Calderón de La Barca)

O dia depois de amanhã será diferente de todos os outros que já se viveu.

A vida ganhará uma conotação completamente distinta de então, todos os valores da modernidade/atraso entraram em xeque, que nenhum cheque pagará. Todas as contas estarão vencidas e surgirão novas e outras, mas a maior conta será a que cada um terá consigo e com os demais que sobrevirão.

A velocidade e a pressa que nos impuseram, correndo contra o sol, dia a dia, num desespero, sem respeita a lei fundamental do dia, que são as 24 horas, nenhum segundo a mais. E não era apenas por sobrevivência, tem muito mais de comportamento acelerado para que não se tenha tempo para pensar, então o Tempo, as horas, viram os culpados por não se realizar, mas era realizar o quê?

Toda essa vida de milhares de revoluções por minutos é que leva ao desespero quando o chão se abriu e se pede para “desacelerar”, como? Por quê?

Percebe-se aos olhos nus, um processo complexo de desagregação geral, instituições, poderes, lideranças, organizações, quase tudo, enfim.

O cenário parece apocalíptico, é preciso entender essa profunda mudança que a humanidade experimentará, as certezas e verdades definitivas serão questionadas, apenas pequenos espaços de afirmações e perspectivas, quase um facho de luz na escuridão pode e deverá se abrir,  tem-se que ficar atento para captar o porvir.

A práxis humana se alterará completamente, quando há um questionamento geral ao que estava estabelecido, a priori. Pode-se ficar cético, cínico, indiferente, mas não imune, ao que se passa nessa vaga histórica, esse hiato dos últimos quinze anos, com a maior crise do Kapital, desde 1929, a de 2008, agora a queda da fórmula ultraliberal, derrotada por um vírus, absolutamente invisível.

As atitudes nem sempre parecerão coerentes, mas há uma enorme chance de se criar algo inovador, para vida, individual e/ou coletiva.

As grandes verdades ruíram, o que virá, um novo conceito de vida e esperança, elas renascerão das experiências comuns, de pequenos e decisivos coletivos, por temas, por interesses, demandas, mas profundamente identificados com a ruptura anticapitalista.

A vida vai vencer.

É filosofia, não profissão de fé que nos libertará. A utopia ressurgirá, ou a humanidade (humanismo), sumirá desse planeta.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

One thought on “O Dia Depois do Coronavírus!

  1. Em 2009, havia pouco tinha chegado à Espanha, fui ver no Teatro Liceu, “A vida é sonho”, drama lírico do Teatro Barroco espanhol escrito por Calderón de la Barca, um dos três grandes dramaturgos, ao lado de Lope
    de Vega e García Lorca. Chamou-me a atenção a montagem quase “moderna” da peça, com o ator Chete Lera. O drama conta a história do príncipe Segismundo, que, após uma profecia de que tomaria o trono do pai, foi por esse encarcerado ainda pequeno, de sorte que a vida que ele vivia e conhecia era somente naquela “caverna” (de Platão), até que, convencido por “revolucionários” que o libertam, investe contra o trono do monarca e toma o poder, não sem notar essa dicotomia entre o sonho e a realidade da vida, depois que conhece a vida lá fora. Embora tenha tomado o poder, Segismundo o devolve, pois não o quer. Aprendeu que a única felicidade possível pra ele é exercer sua própria liberdade. Já disseram que Segismundo é um Hamlet revolucionário e idealista, pois, ao contrário do personagem shakespeareano, não se comporta como uma peça na emgrenagem do poder, tanto que o contesta e o despreza. Mas e nós, que estamos na “caverna” do isolamento social, o que virá quando findar a quarentena? Vejo dois caminhos possíveis, ainda que possa haver bem mais: emergirá das sombras regime ainda mais autoritário, ou não aceitaremos mais essas relações do velho capitalismo, que nunca podemos subestimar.

Deixe uma resposta para Jessé de Andrade Alexandria Cancelar resposta

Next Post

Das Aflições e Da Esperança: Não Olhe Para Trás!

seg abr 13 , 2020
Share this on WhatsApp “o que se tem é tudo que se precisa” (Pensamento Zen) O mito de Orfeu (muitas vezes recorrente nesse blog) é uma mensagem clara, um alerta fundamental para todos: Não olhe para trás, ou também pode ser, não viva a vida olhando pelo retrovisor. O herói perde […]
%d blogueiros gostam disto: