As histórias de futebol e lutas se confundem no Corinthians.

As histórias de futebol e lutas se confundem no Corinthians.

“Ser corinthiano é ir além, de ser ou não ser o primeiro,
ser corinthiano é ser também, um pouco mais brasileiro”. (Corinthians do Meu Coração – Toquinho)

Ser corinthiano é ir além, esses versos simples nos impõe a incrível capacidade de acreditar que podemos ser mais, independente de ser ou não ser o primeiro. Mas minha longa história de SER, pois só que é, SABE o que é SER, começou ainda criança, em 1977, o ano da “libertação”, quase como os judeus saírem do Egito, de tão épico e dolorido.

O dia 04 de julho de 2012, foi nossa terceira libertação, de medos, fantasmas, assim como tinha sido , em 16  de dezembro de 1990, no gol de Tupãzinho,  aquele típico jogador que tanto nós amamos, pois ele não é craque, mas tem uma doação que nos faz esquecer qualquer engrossada durante o jogo. Os três times coincidem num ponto comum: Superação.

Esses times não era fantásticos, ao contrário, eram limitados, o de 1990, mais ainda. Porém, todos eles, tinham a sede da vitória, o desejo de fazer história, acabar  com tabus, com barreiras intransponíveis, quase impossíveis para cada um daqueles elencos e dá um prêmio maior à torcida fiel, o sentido de liberdade e catarse.

O dia 04 de julho foi um dos mais longos da minha vida, todas as sortes de mandingas e superstições me acompanharam durante a libertadores: a mesma roupa, o mesmo lugar no sofá, a mesma rotina, tudo tinha que ser igual, nem quis ir ao estádio, pois estava “dando certo”. Os dois gols de Sheik, nenhuma chance de gol ao grande Boca Jr, mostrou a valentia e superação do time montado por Tite, ainda sob enorme desconfiança da torcida.

Quatro anos passados, novos recomeços, o país em situação crítica, de ruptura democrática, mais uma vez a valorosa torcida se supera, a mesma que levantou faixa contra a Ditadura, abraçou a Democracia Corinthiana. Nesse ano, tem se manifestado pela CPI da Merenda, Contra Capez e contra a Globo Golpista, apesar da repressão promovida pelo governo tucano de Alckmin e Alexandre de Moraes.

Ontem, nos superamos e  levantamos faixas contra o Golpe, um famoso “Fora Temer”, durante o segundo tempo contra o Flamengo, o clássico das multidões. A valente torcida, foi premiada com uma improvável goleada, depois de um primeiro tempo sofrível.

O Coletivo Democracia Corinthiana, liderada por mulheres, a vanguarda da luta contra Temer, em aliança com o Levante Popular da Juventude, deu seu recado, ao vivo e a cores, para todo o Brasil e pelo mundo, pois ser corinthiano é ser também, um pouco mais brasileiro.

#VaiCorinthians.

O legendário Fon, presente!

O legendário Fon, presente!

Igualde e liberdade de torcer

Igualde e liberdade de torcer

Corinthians do meu coração (Toquinho)

Imagem de Amostra do You Tube