Invasão Corinthiana ao Japão – Documentário

A preparação no Aeroporto no embarque do time ao Japão

 

O ano de 1976 entrou no imaginário do futebol pela famosa “Invasão Corintiana” ao Rio de Janeiro, naquele domingo 5 de dezembro, para assistir a semi-final do campeonato brasileiro, entre Corinthians e Fluminense( a máquina tricolor). A movimentação na Rodovia Presidente Dutra começou na sexta, dia 03/12, intensificou no sábado e explodiu nas primeiras horas do domingo. Milhares de Corintiano de carro, ônibus literalmente invadiram a praia. Copacabana tomada de paulistas com as camisas alvinegras. Dizem que foi a maior movimentação de uma torcida rumo à outro estado que se tem notícia no futebol, descontemos os exageros, mas estima-se m quase 70 mil corintianos. A Manchete do Estado de S. Paulo fala alto: “CORINTIANOS SÓ TRABALHAM NA TERÇA”.

Duas décadas e meia depois, em janeiro de 2000 se seguiu uma segunda invasão corintiana ao Rio de Janeiro, desta feita a decisão era do primeiro mundial organizado pela Fifa, que reuniu dois grupos, um em São Paulo e outro no Rio, a final foi entre Vasco da Gama e Corinthians. Novamente milhares de corintianos se dirigiram ao Rio, desta vez de carro, ônibus e avião. O estádio foi dividido meio a meio, com o surgimento do canto que passa a acompanhar a torcida do Corinthians para sempre: “O todopodereso Timão”. Quando cantado no mítico Maracanã, arrepiava até os adversários.

Mas a maior de todas as façanhas do “bando de loucos” foi a a “operação Tóquio”, talvez o maior objeto de desejo de 11 em cada 10 corintiano, ver seu time ser campeão da Libertadores e depois do Mundial, que mesmo tendo sido campeão em 2000, havia aquela incômoda sombra de ter sido “convidado”, como se em 1930 o Uruguai também tinha sido convidado e foi campeão do mundo, mas o clubismo e a gozação típica, jamais perdoaria aquele primeiro título. Agora no Japão, seria incontestável. O histórico time de 2012, o maior vencedor do Corinthians já havia quebrado todas as barreiras. Campeão Brasileiro de 2011, depois Campeão invicto da Libertadores, derrotando Vasco, Santos e a final com o papatítulos, o temido Boca Jrs da Argentina.

A torcida se mobilizou como jamais se havia pensado e lotou vôos do Brasil e de diversos lugares do mundo, além do decasséguis que engrossaram as 40 mil vozes dos estádios no Japão. A Fifa jamais tinha imaginado tão grande deslocamento humano, de tão longícuo que era,  muitas vezes se negava a vender uma carga maior de ingressos ao Corinthians. Aqueles 10 dias de Japão é uma síntese de paixão, amor e loucura por time de futebol. Os relatos dos amigos que estiveram do outro lado do mundo, as postagens no Youtube e nas redes sociais deram a dimensão épica da imensa aventura. O estádio virou um grande Pacaembu, a maior atração ficou por conta da torcida, uma coisa de emocionar e fazer chorar tamanha mobilização.

O filme documentário é uma pequena amostra de tudo o que se viu no Japão, que ficará gravado para sempre na história do esporte, como ele consegue envolver e emocionar pessoas tão diferentes, que usaram de todos os meios possíveis e inimagináveis para ir lá e ver.  A R2O Filmes fez o documentário e distribuiu gratuitamente para que a torcida, não apenas a do Corinthians, mas todas que gostam de história compartilhem de um momento mágico do futebol. Este pequeno blog, do editor corintiano, desde 1977, tem o prazer de partilhar com seus leitores.

Invasão Corinthiana – Filme Documentário Original 

(Produção independente para homenagear a torcida do Corinthians)

Depoimentos:

– Washington Olivetto
– Paulo André
– Edu Gaspar
– Alexandre Barros
– Benjamim Back
– Paulo Vinicius Coelho – “PVC”
– Waldir José Schiavon – “Filé”
– Roberta Viana
– João Paulo Tonidandel
– Carlos Eduardo – “Cadu”
– Fernandinho Beat Box
– Samy Back
– Marcos Vinícios – “Markone”
– Mário Pieroni
– Alexandro Élios – “Helinho”
– Jefferson – “Febem”
– Celso Unzelte

Agradecimentos:

– R2O Filmes
– Gremio Recreativo Gaviões da Fiel
– Daniel Leon – “Abreu” – idealizador do projeto
– Victor Herege – “Casão” – imagens cedidas
– Marcos Vinicios – “Markone” – responsável pela criação do logo do filme
– Alexandre Barros – imagens cedidas
– Kahue Augusto – imagens cedidas
– Pericles Rocha – imagens cedidas

E toda a nação corinthiana louca por esse time: Sport Club Corinthians Paulista.

Obrigado por existir!

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

Deixe uma resposta

Next Post

Metade - O Outro Lado

sex ago 2 , 2013
Share this on WhatsApp   As diversas formas de se contar sobre uma metade, que temos em nossa unidade, quer seja uma projeção, ou uma divisão interna, ou quem sabe um estado de passado/presente ou de presente/futuro. No fundo somos Uno, sendo tantos , “novo” ou “velho”, moderno ou ultrapassado. […]
%d blogueiros gostam disto: