Crise 2.0: A Farsa das"Lições de Casa" Alemãs

 

Os vagões das exportações da Alemanha em Alta - Foto: christian charisius/reuters

Recentemente publiquei um dos tantos artigos sobre os “mistérios” da força da Alemanha( Crise 2.0: O (não)Mistério da Força Alemã) como também das famosas “lições de casa”de que tanto falam, mas pouco se explicita o que seria elas. Aí você cria “categorias” econômicas ou filosóficas sem conteúdo, resumindo à formulação superficial. Mais uma vez aqui na a série Crise 2.0, tentaremos desmitificar o que são estes mistérios, para que compreendamos de forma mais ampla o que acontece no Euro.

 

A melhor maneira de entrar neste debate é buscar conhecer alguns aspectos interno da Alemanha, deparei-me com uma rica matéria no Estadão, feita pelo excelente Jamil Chade, correspondente na Suíça. Ele nos traz uma entrevista como o economista Reinhard Schmidt, professor de Finanças na Universidade de Frankfurt e um dos nomes mais respeitados da academia alemã, acredita que a Alemanha resistiu à crise nos últimos dois anos porque “fez a lição de casa”. Autor de vários livros e orientador de dezenas de doutorandos que hoje são os gerentes e presidentes executivos dos maiores bancos da Alemanha, Schmidt foi contratado para fazer um levantamento sobre o motivo pelo qual os bancos alemães resistiram à crise.

 

O repórter já resume  a entrevista numa formulação feita pelo economista alemão, que reflete o que mais repisamos aqui nas nossas investigações  sobre a Crise em geral e a Alemanha em Particular: “modelo não foi implementado sem altos custos políticos e não pode ser simplesmente transferido para outros países do bloco.  Vamos analisar alguns pontos da entrevista, os mais relevantes e reveladores.

 

 

Por que a Alemanha não sucumbiu à mesma crise dos demais países europeus?

Aqui, a atitude é de parceria, entre empresas, governos e bancos. No auge da crise, em 2008 e 2009, muitas empresas reduziram o tempo de trabalho de seus funcionários e o governo as apoiou. Metade do salário passou a ser pago pelo governo. Houve um importante consenso político e, quando a recuperação deu sinais de estar presente em 2010, a retomada foi rápida e acelerada. Mas nada disso é novo na Alemanha. Essa parceria tem uma longa tradição e está enraizada ainda no Segundo Império, após a unificação do país por Bismark.

 

Ora, a Senhora Merkel, que exige Austeridade dos governos, corte gastos sociais, não se negou a dar dinheiro do Estado alemão às empresas, para pagar até metade dos salários dos trabalhadores.  Estas pequenas contradições jamais podem ser esquecidas, pois veremos as consequências, apontadas pelo economista abaixo.

 

E qual foi o resultado disso?

O resultado é que nunca o desemprego no país foi tão baixo. Existem regiões que vivem o pleno emprego. Não demitir funcionários foi parte da garantia da recuperação e da produtividade. Foram criados incentivos para que as médias e pequenas empresas mantivessem seus trabalhadores. Muitas dessas empresas são altamente especializadas e perdê-las teria um custo econômico muito alto.

 

Atentem para o fato inescapável que a luta para manter o emprego dos trabalhadores, não esqueçamos às custas do Estado, foi fundamental para não sucumbir diante da Crise. Relembremos as críticas ferozes dos neobobos humoristas, digo Economistas, aqui no Brasil quando o Governo Lula e Dilma incentivam o emprego com dinheiro público, invariavelmente enchem a boca para usar o exemplo alemão, prova-se aqui que eles desconhecem o tal “exemplo alemão”.

 

Mas como é que a Alemanha conseguiu atravessar os últimos dois anos de crise?

Há anos havíamos feito a lição de casa e, por isso, resistimos à crise. Nos anos 90, o custo do trabalho na Alemanha era o mais alto da Europa. O governo social-democrata de Schroeder optou pelas reformas depois de anos de estagnação. Elevou a idade mínima de aposentadoria para 67 anos e exigiu mais tempo de trabalho. Com suas decisões, o chanceler se transformou numa das pessoas mais odiadas da Alemanha e, obviamente perdeu a eleição. Mas deixou o país preparado para qualquer crise e abriu uma nova era de competitividade.

 

Como já comentei em outros textos sobre a Alemanha, o centro do que se tem hoje, remonta o governo Social Democrata, a Direita alemã deu continuidade, Merkel não fez qualquer milagre, não é a salvadora local.

 

Como o senhor define hoje o modelo econômico alemão?

É um modelo de complementaridade e eu chamaria de economia de mercado coordenado, em oposição à economia liberal de mercado. Vou dar um exemplo. Metade do conselho das grandes empresas é formado por representantes de trabalhadores. Há ainda uma forte presença do Estado e de bancos.

 

Mais uma vez aqui, o canto neoliberal deve ser esquecido, sem o Estado, não há sobrevivência, a tolice de se desmontar o aparelho estatal apenas leva a destruição do aspecto central de economias tão interligadas: A perda da Soberania. Isto leva a que o país inteiro fique extremamente vulnerável diante de uma Crise tão grande. Apenas os raivosos colunistas que nada entendem de vida real continuam a vociferar contra a presença estatal. Os trabalhadores são decisivo nos processos das empresas, seus sindicatos e centrais têm poder fundamental, aqui são demonizados pela grande mídia tosca.

 

O modelo produtivo alemão pode ser copiado?

Não. Pelo menos não no curto ou médio prazos. Há uma combinação de fatores e de história que o torna único. Nossa economia é baseada em milhares de pequenas empresas, flexíveis e altamente especializadas que conseguem ter, no mercado externo, uma base importante para seu crescimento. Isso ocorreu porque, nos anos pós-2.ª Guerra, não tínhamos um mercado doméstico para consumir o que se produzia e tudo foi estabelecido para que pudéssemos exportar.

 

Ou seja, as tais “lições de casa” da Alemanha, foram uma combinação de fatores locais( empresas pequenas e flexíveis, voltadas à exportações) com amp
lo apoio do Estado( que pagou pelo pleno emprego), além da reformas que tornaram o emprego precário em “emprego”. Em síntese, não há milagre.

admin

Nascido em Bela Cruz (Ceará- Brasil), moro em São Paulo (São Paulo - Brasil), Técnico em Telecomunicações e Advogado. Autor do Livro - Crise 2.0: A Taxa de Lucro Reloaded.

0 thoughts on “Crise 2.0: A Farsa das"Lições de Casa" Alemãs

  1. Arnóbio, tenho uma sobrinha na Alemanha que é altamente especializada é engenheira de materiais com doutorado. Ela trabalha em uma grande indústria de soldas (que tem filial no Brasil), emprego que conseguiu a cerca de dois anos. Quando estava na Universidade fazendo o doutorado vivia de bicos, mas ao se formar quase imediatamente conseguiu um emprego e o marido também engenheiro de materiais presta consultoria em duas ou três empresas. Apesar disto a crise assusta eles.

  2. Pois é, o Estado alemão sempre foi “protetor”, estranhava essa loucura da Merkel, pensei que tivesse jogado tudo pro alto. Que canalhas, meu deus!!!

Deixe uma resposta para marinildac Cancelar resposta

Next Post

Crise 2.0: Alemanha - Todos dizem Eu te Amo!

seg jul 16 , 2012
Share this on WhatsApp   Começamos a semana com um artigo sobre as tais “lições de casa”alemãs, que procurei desmitificar, como já venho fazendo aqui na série sobre a  Crise 2.0. No post, Crise 2.0: A Farsa das”Lições de Casa” Alemãs, encontramos uma clara contradição entre o que a Alemanha prega […]
%d blogueiros gostam disto: